Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Daily Habit

Diário de produtividade pessoal

The Daily Habit

Diário de produtividade pessoal

Afinal o Que é a Produtividade Pessoal

Mulher jogando duas bolas ao ar

Numa sociedade em que se confunde ser produtivo com o estar sempre ocupado, importa clarificar e discutir qual a melhor definição de produtividade pessoal.

A Agendor define a produtividade no trabalho como a relação direta entre a quantidade produzida de determinado produto ou serviço divida por algum elemento ou recurso necessário para a sua produção. Este conceito teve origem na revolução industrial com a relação da produção com o tempo e é a definição clássica de produtividade.

No Manual da Secretária é apresentada a definição de produtividade de Paulo J. Mayer em que a produtividade não pode ser um acidente, sendo sempre o resultado de um comprometimento com a excelência, inteligência, planeamento e esforço focado.

Na Prática refere a produtividade como estando em muitos aspetos relacionada com a qualidade de vida.

A evolução do significado de produtividade pessoal tem vindo a ser deslocada mais para o indivíduo, e as suas necessidades globais, à semelhança da evolução na psicologia. Aqui, a qualidade de vida que surge no pensamento mais recente é de vital importância.

Querendo manter a sentido de produtividade pessoal o mais simples possível para ter utilidade prática, deixo de seguida a minha definição:

Produtividade pessoal é a capacidade do indivíduo em envolver-se em tarefas e projetos que contribuam para os seus objetivos globais.

Por outras palavras, sem encontrar objetivos em primeiro lugar, não é possível ser produtivo, sendo que os objetivos devem ser considerados nas várias áreas da vida (social, trabalho, dinheiro, saúde, casa, espiritual, etc).

Photo by Juliana Romão on Unsplash

 

Do You Speak English?

Bandeira Reino Unido

Recentemente tenho pensado sobre a possibilidade de criar um novo blogue totalmente em inglês. Não tenho escrito na língua de Shakespeare tanto como gostaria, ao contrário de há uns anos atrás onde cheguei a escrever melhor em inglês do que em português.

Tudo é uma questão de prática, e o que não se pratica esquece-se. As minhas paixões andam à volta dos tópicos de produtividade, finanças, influência, saúde, yoga e mindfulness, pelo que naturalmente o novo blogue teria de ser nestas áreas. Escrever sem paixão deve ser a última coisa que um escritor deve querer.

A lista de blogues na língua inglesa sobre qualquer destes temas é infindável pelo que teria de ter um foco muito específico para ter alguma relevância. Não que queria rentabilizar o blogue, mas uma lista de leitores regulares, por mais pequena que seja, é motivadora.

Por outro lado, acredito na escrita como um processo de terapia para o próprio escritor, e que pode ser útil a outras pessoas que se revejam em situações similares. É um processo vencer-vencer para ambas as partes.

Uma excelente forma de encontrar um novo ângulo ou título para a criação de um blogue é pensar como se tivéssemos de escrever um livro. Como se sabe, a publicação de um livro é um processo que exige muito tempo para pesquisa, escrita e edição além de uma disciplina herculeana. Neste caso, a questão que o escritor deverá colocar é a seguinte: Se tiver de dedicar 3 horas por dia no próximo ano para escrever um livro, qual seria o título? A resposta daria supostamente a ideia para o nome é âmbito do blogue.

Objetivos 2020: Reta Final à Vista

Objetivos 2020: Revisão Trimestral n.º 4

Está na altura da revisão trimestral dos objetivos para 2020. É a última revisão do ano, e também a última oportunidade para atingir os objetivos.

Assim como a vitória de um ciclista é muitas vezes decidida na reta final, os três últimos meses do ano proporcionam o foco necessário para “pedalar” na velocidade máxima com a meta à vista.

Desenvolvo os objetivos em seis áreas: social, trabalho, dinheiro, saúde, casa e espiritual. Para uma maior eficácia, no último trimestre do ano vou tentar juntar várias áreas.

Por exemplo, como trabalho numa grande organização, posso socializar mais com os colegas e dirigentes, juntando deste modo as áreas social e trabalho. O ideal seria juntar o trabalho com o dinheiro, encontrando um emprego que providenciasse maior rendimentos. O meu emprego é mal remunerado como a maioria dos empregos em Portugal, mas tem outros benefícios indiretos, pelo que irei continuar no mesmo trabalho apostando na educação ativa na bolsa de valores.

Assim sendo, os meus objetivos para o último trimestre de 2020 são:

Trabalho: fazer uma comunicação 80/20, escutando 80% e falando 20% do tempo (H).

Dinheiro: 1) poupar 30% dos rendimentos (H) e 2) desenvolver uma estratégia lucrativa na bolsa de valores (P).

Saúde: 1) cozinhar duas refeições vegetarianas por semana (H), 2) aplicar o mindfulness na visão e yoga (H) e 2) controlar o colesterol (P).

Casa: Arrumar e reduzir o número de “coisas” para uma casa mais minimalista (H).

Natureza. Dar um passeio junto ao mar aos fins de semana (H).

O símbolo H ou P à frente de cada objetivo refere-se a hábito ou projeto. Um hábito é uma rotina executada periodicamente e um projeto é um conjunto de tarefas.

Uma Casa Minimalista

Sofá cor de laranja simples

Nas sociedades do capitalismo atuais, a generalidade das pessoas tem acesso a todo o tipo de bens e materiais. O resultado é colectarem “coisas” que não precisam e juntar tudo em casa.

Para contrariar esta tendência de excessos, a que também não estou imune, este ano estabeleci como objetivo ter uma casa mais minimalista. É um projeto para ser desenvolvido aos fins de semana juntamente com as tarefas habituais de arrumação e limpeza.

Este fim de semana comecei por algo simples, como arrumar o móvel da televisão. É incrível o que tinha neste pequeno móvel: livros, aparelhos electrónicos, velas, chocolates, DVDs, canetas, etc. Até uma mola de roupa encontrei no móvel, incrível!

Os aparelhos electrónicos que já não uso vão para a reciclagem nos pontos eletrão que existe nos principais shoppings, grande parte do livros vão para dar, as canetas de plástico para a reciclagem, as velas para a minha prática de yoga em casa. Bem os chocolates, infelizmente já não estão bons e têm de ir para o lixo, que desperdício!

No próximo fim de semana, a tarefa é avançar para o escritório, onde a pilha de bens é enorme. O objetivo é caminhar em direção a uma casa mais minimalista, um fim de semana de cada vez!

 

A Independência Financeira é um Conto de Fadas

Castelo medieval

Quando se fala em independência financeira muitas pessoas pensam logo que significa não fazer nada, gozar a vida enquanto o dinheiro cai do céu como um conto de fadas.

Se ganhar o Euromilhões provavelmente isto é verdade, mas para o comum dos mortais o que significa realmente ter independência financeira?

Para efeitos práticos, defino independência financeira como a obtenção de rendimentos extra através de fontes diversas de investimento que permitam suportar o estilo de vida pretendido com o mínimo de trabalho.

O que muitos não se apercebem é que para se chegar à independência financeira é preciso primeiro trabalhar com dedicação e a estratégia certa até se obterem resultados.

Atingir a independência financeira com o imobiliário

Comprar um imóvel para arrendar é um clássico exemplo de rendimento extra. No entanto, é preciso fazer um bom negócio para ter sucesso. É necessário ter em conta a localização e os diversos custos da compra como o financiamento, obras, impostos, condomínio, seguros, manutenção, etc., Também é preciso considerar o preço da renda a colocar no mercado e se existe procura para o imovel. No final, o balanço de cauxa tem de ser positivo.

Como provavelmente com um único imóvel não consegue ter os rendimentos suficientes para o estilo de vida pretendido, terá de fazer outros negócios comprando varios imóveis.

O imobiliário, é no entanto, um investimento que requer muito capital e é preciso começar o mais cedo possível para se ter hipóteses de sucesso

Atingir a independência financeira com a bolsa de valores

Outro caminho para a independência financeira é o investimento na bolsa de valores. Este tipo de investimento é conhecido pelo elevado risco, e com razão. Qualquer pessoa que coloque dinheiro nos mercados sem fazer o trabalho de casa, está condenada logo à partida, perdendo parte senão todo o dinheiro que investe. Em alguns produtos mais arrojados até pode perder mais do que aplicou.

A bolsa de valores exige uma grande dose de educação, e sobretudo muita prática numa conta de simulação ou demonstração até se obterem resultados consistentes. Este processo pode levar anos enquanto o investidor encontra pelo menos uma estratégia que vá de encontro às suas ambições. A maioria desiste pelo caminho, ou então segue o caminho fácil “jogando" impanciantememge na bolsa e perdendo o seu dinheiro.

Ganhar dinheiro para investir no imobiliário e bolsa de valores

Tirando o Euromilhões ou a herança de uma tia esquecida, só existem dois caminhos legítimos para ganhar dinheiro: com um emprego ou negócio.

A maioria tem o emprego como principal fonte de receita. Portugal em relação aos seus pares na União Europeia tem um ordenado médio inferior, mas mesmo assim é possível poupar por pouco que seja mantendo um estilo de vida mais frugal Outros países da língua portuguesa como o Brasil, Angola e Moçambique também tem problemas graves com rendimentos salariais baixos.

Desenvolver ou criar um negócio para ganhar dinheiro envolve mais incerteza quando comparado com um emprego, por não ter rendimento fixo como o salário, pelo que não é para todo o tipo de pessoas. Em certos casos, é a única opção quando existe dificuldade em encontrar emprego. A vantagem é que quando um negócio corre bem, gera muito dinheiro.

Conclusão

Quem não quereria chegar à independência financeira vivendo apenas dos seus rendimentos? Muitos poucos negariam esta hipótese.

Quem quereria dedicar o tempo e esforço necessarios pata atingir a independência financeira? Aposto que a maioria não aceitaria o sacrifico necessário.

A chegada à independência financeiro é um caminho cheio de armadilhas e com conhecimentos escondidos que advêm da experiência. Como em qualquer projeto ambicioso tem uma série de etapas e dificuldades que ultrapassadas permitem chegar ao pote de ouro no final do arco íris.

A independência financeira afinal não é um conto de fadas

Incompetência Seletiva

Cara de homem pensativa

Não são os mais competentes que são promovidos ou chegam mais longe, mas sim os mais espertos e que sabem exercer as leis do poder e influência para atingir os seus objetivos.

A competência acaba por ser um obstáculo na subida da escada corporativa. A solução é o que chamo de incompetência seletiva.

As pessoas no geral têm receio da mudança, e os dirigentes das nossas organizações não são imunes a esta característica humana. Se demonstrar muita competência em determinada área técnica, muito dificilmente alguém o irá promover porque em “equipa vencedora não se mexe”.

Ao demonstrar muita competência, os seus superiores também poderão considerar que uma promoção poderá dar-lhe mais visibilidade. Isto pode ser visto como uma ameaça, não possa alguém pensar que algum dia irá substitui-la.

Se for muito bom naquilo que faz, as pessoas continuarão a dar-lhe mais trabalho pois sabem que irá resolver. Isto tem um efeito bola de neve, com cada vez mais serviço.

Ao manter-se ocupado a ser o melhor tecnicamente naquilo que faz, irá perder a visão global sobre a envolvência da sua organização e também fora, não tendo acesso às melhores oportunidades profissionais que advém do contacto direto com os elementos decisores. Não conseguirá desenvolver outras atividades que podem fazer a diferença na sua carreira, como o networking e a promoção pessoal.

A incompetência seletiva não significa que deixemos de ser competentes, até porque incorríamos no risco do despedimento. Aqui, o equilíbrio é essencial, manter as atividades essenciais para a entidade patronal não ter nada a apontar, e ao mesmo tempo não representar uma ameaça às chefias.

Com o tempo que ganha sendo um incompetente seletivo, poderá desenvolver uma estratégia para chegar mais longe, nunca se sabe quando poderá ter sorte. Afinal existe sempre outra pessoa que poderá ocupar o seu antigo lugar fazendo igual ou melhor o seu trabalho.

Reconectar com os Hábitos Diários

Lista de Hábitos - Agosto 2020

Está na altura de reciclar a minha lista de hábitos diários. Esta é uma ideia que encontrei inicialmente no blogue Kevin Habits, e que achei bastante interessante como uma forma de criar novas rotinas.

De referir que na lista não contam hábitos já formados, e que já estão plenamente engrenados no meu dia a dia, como é o exemplo das finanças pessoais com o hábito da poupança ou da literacia financeira.

Se no entanto algum dos hábitos descarrilar e for importante, será novamente adicionado à lista.

Os hábitos que pretendo acompanhar são:

  • Acordar ao primeiro toque: porque fico na cama mais de 20 minutos depois do despertador tocar e perco tempo valioso.
  • Comunicação 80/20: porque quero ouvir 80% do tempo e falar apenas 20% do restante. Este hábito é inspirado no Princípio de Pareto, ou regra 80/20, onde 80% dos resultados advêm de 20% do esforço. Falar pouco é também considerado um dos segredos da influência pessoal.
  • Caminhar de manhã e de tarde: porque é importante fazer uma pequena pausa no trabalho e exercitar o corpo.
  • Alimentação vegetariana: porque produz bem estar e dá energia. Embora não seja fundamentalista, o objetivo é confecionar mais refeições saudáveis.
  • Praticar yoga: porque quero dedicar mais tempo ao yoga, considerando que muitas vezes faço uma sessão reduzida que acaba por não ser tão eficaz.
  • Relaxar a visão através de exercícios dedicados: porque tenho uma miopia elevada e trabalho excessivamente ao perto.
  • Finalmente, contactar alguém ou dar uma palavra a um familiar ou colega: porque quero equilibrar a minha personalidade introvertida com o lado social.

Saber Quando Parar

Cadeiras na areia junto praia

Todas as atividades intensas requerem descanso. É impossível para o ser humano manter uma elevada produtividade sem parar por uns momentos de forma a recuperar energias.

O famoso caso do banqueiro português António Horta Osório que numa posição de topo como presidente do banco Lloyds de Inglaterra quando assumiu em público um esgotamento que o obrigou a parar, foi amplamente divulgado nos meios de comunicação social.

Como Horta Osório, existem muitas outras figuras públicas e privadas que se viram obrigadas a “encontrar tempo” para descansar e recuperar das suas vidas agitadas.

A forma mais óbvia é dedicar pelo menos um dia por semana para fugir das rotinas habituais como é o caso de um emprego ou trabalho intensos.

Pessoalmente tenho o sábado para me libertar do mundo do trabalho e principalmente dos mercados financeiros no qual invisto de forma ativa na bolsa de valores. Embora os mercados estejam fechados durante o fim de semana, tem sido hábito fazer análise de títulos de ações e ler publicações financeiras em tempo de lazer.

A vantagem do verão é que facilita o descanso, principalmente com a praia. É muito difícil estar sentado na toalha de praia a trabalhar com um portátil e mais difícil ainda mergulhar no mar com um livro ou caderno de apontamentos. Saber quando parar é uma virtude, e sempre podemos aproveitar melhor o verão para ter um repouso merecido.

Dilemas de uma Carreira Profissional

Pessoas a andar, pernas desfocado

Como muitos portugueses tirei uma licenciatura na expetativa de ter um futuro melhor, tendo trabalhado sempre na mesma área profissional depois de concluir o curso. Recentemente adicionei um mestrado à minha formação, e pelo meio concluí uma pós-graduação.

Tanto a licenciatura como o mestrado são na mesma área, enquanto a pós-graduação é mais genérica na área da gestão. Tecnicamente tenho todas as competências necessárias à execução de um excelente serviço além de ter uma experiência vasta.

O próximo passo na minha carreira passa inevitavelmente por ser reconhecido numa função de direção num cargo perto do topo. No entanto, e sabendo disto, nunca estabeleci verdadeiramente como objetivo concorrer ou procurar ativamente um cargo deste tipo.

Penso que um dos motivos, é o facto do meu trabalho envolver lidar com muitos indivíduos, cada um com a sua própria agenda, o que leva inevitavelmente à gestão de conflitos. Estes conflitos aliados à minha personalidade e natureza ansiosa têm historicamente causado períodos de grande cansaço/esgotamento. Subir na escada corporativa requer uma determinada aptidão e gosto por jogar com as leis do poder.

Outro dos motivos é que sempre preferi desenvolver atividades paralelas, como o yoga ou o investimento na bolsa, que me ocupassem o tempo e a energia em detrimento de evoluir na carreira para o qual estudei. Atividades inerentemente mais para um introvertido do que para um extrovertido.

O que pensamos quando escolhemos um curso e a realidade da vida profissional são bem diferentes, havendo a necessidade de uma adaptação contínua se queremos manter a sanidade mental e evoluir seja em que sentido for. Isto é o dilema de uma carreira profissional.

Persona

Avatar rosto - Persona

Esta semana entrei numa loja FNAC para consultar a seção dos livros, um dos meus passatempos favoritos. Infelizmente em Portugal a edição de novos livros é diminuta, e salvo algumas excepções, vejo-me a rever os mesmos livros de sempre.

Abri e desfolhei Marketing de Conteúdo - A Moeda do Século XXI de Rafael Rez. A gestão de conteúdos é de extrema importância para quem tem um blogue e quer ser encontrado nos principais motores de busca.

A premissa deste tipo de marketing é simples: criar conteúdos que os potenciais leitores possam estar interessados com o objetivo de desenvolver artigos, imagens e vídeos que vão de encontro às suas necessidades.

Um dos temas centrais antes da publicação de qualquer material é o desenvolvimento de um persona, que é definido como o leitor ideal para o qual o blogger escreve. Todo o material publicado deverá ser dirigido a esta persona, para a consistência do blogue.

Fiquei a pensar qual será a persona ou leitor ideal a que o blogue The Daily Habit se dirige, mesmo não tendo fins lucrativos, como é o caso. Tratando-se de um diário de produtividade pessoal, naturalmente o persona principal sou eu próprio, mas todos os leitores em situação idêntica podem beneficiar.

No espírito do que muitos consideram o pai da economia moderna,Adam Smith, afirma que ao pensarmos no nosso interesse próprio, acabamos por beneficiar a sociedade e consequentemente a economia.

Aqui fica a descrição da persona ou leitor ideal a que este blogue é dirigido, servindo de base à seleção e publicação de todos os conteúdos.

  • Trabalha ou exerce funções numa organização ou empresa.
  • Ainda não atingiu o pico na carreira.
  • Sabe que o sucesso numa organização vai muito mais para além de competências ou conhecimentos técnicos.
  • Pretende dominar as técnicas de influência e relações interpessoais.
  • Quer desenvolver técnicas de gestão do tempo para ser mais eficaz.
  • Quer poupar e aprender a investir as suas pequenas poupanças de uma forma ativa.
  • Tem muita atividade precisando de encontrar e cultivar momentos de lazer e pausa que promovam a recuperação de energia e melhor saúde.