Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Daily Habit

Diário de produtividade pessoal

The Daily Habit

Diário de produtividade pessoal

O Investimento em Obrigações como uma Alternativa aos Depósitos a Prazo

Reunião de finanças

O investimento em obrigações como uma Alternativa aos Depósitos a Prazo

Muitas pessoas têm as suas poupanças aplicadas em depósitos a prazo com juros perto do zero. Se pensarmos que os maiores bancos em Portugal começaram a cobrar comissões de gestão significativas, isto significa que para grande parte dos indivíduos está a pagar mais de comissões do que recebe em juros das suas aplicações bancárias. É o mesmo que dizer que preferimos pagar ao banco para não ter o dinheiro debaixo do colchão.

Tem de existir uma melhor forma de rendimento do nosso dinheiro com um baixo risco baixo ou similar aos depósitos a prazo. A aplicação do dinheiro em divida pública tem baixo risco e de uma forma geral taxas de juro mais atrativas que os depósitos a prazo convencionais. Este tipo de investimento tem a designação comum de obrigações de divida pública.

Na Agência de Gestão da Tesouraria da Divida Pública (IGCP) estão anunciados vários instrumentos de divida como as Obrigações do Tesouro, Bilhetes do Tesouro, Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV), Certificados de Aforro e Certificados do Tesouro Poupança Crescimento (CTPC).

À primeira vista pode parecer complicado conhecer todos estes mecanismos de investimento, mas nos próximos artigos irei escrever sobre cada um. Quero, no entanto, deixar alguns conceitos gerais sobre obrigações neste artigo.

Quando um investidor compra uma obrigação a uma empresa ou governo está essencialmente a comprar dívida com a expetativa de obter lucro no futuro. A permanências de tempo das obrigações é conhecida como o período de maturidade. No final do período de maturidade é devolvido um valor acordado ao investidor (chamado de valor nominal) acrescido ou não de juros consoante o caso. Os juros nas obrigações são também conhecidos como cupão e podem ser fixos ou variáveis.

O lucro nas obrigações pode ser medido de duas formas. (1) Pelos juros recebidos no caso do investimento inicial ser igual ao valor restituído no final do período de maturidade (valor nominal), ou (2) pelos juros recebidos mais a diferença entre o valor investido inicialmente e o valor restituído no final da maturidade, no caso destes dois valores serem diferentes.

4 Apps Gratuitas de Leitores de RSS

homem-a-ler-tablet.jpg

Consulto e leio muitos artigos online, mas a partir de um grande número de blogues e sites torna-se pouco produtivo a consulta individual de cada recurso. Felizmente existem várias soluções tecnológicas que agregam conteúdos, também designados de leitores RSS ou feed RSS de notícias, que tornam mais rápido o processo de organização e leitura de artigos e notícias.

O que é um leitor de RSS ou feed RSS de notícias? RSS é a abreviatura de Really Simple Syndication e permite que ao inscrever-se num blogue ou site, para que sempre que exista uma nova publicação sejam disponibilizadas as novas informações sem ser necessário procurá-las. Cada feed RSS corresponde a um blogue ou site. Por exemplo, ao inscrever-se no feed de notícias do blogue The Daily Habit, cada vez que eu publicar um novo artigo, receberá o mesmo no seu leitor de RSS. Um leitor de RSS, reúne, portanto, todos os seus feeds num único local, para mais fácil acesso e gestão.

Como é de esperar existem várias aplicações para agregar os feeds. De seguida enumero quatro leitores RSS gratuitos.

1. Inoreader

Trata-se de um leitor RSS com uma identidade visual própria e com aplicações para IOS, Android e Web. A subscrição de feeds é ilimitada e tem extensões para os principais browsers para que possa subscrever os feeds diretamente enquanto navega na internet.

2. Feeder

Trata-se de um leitor RSS com uma experiência de leitura fácil. Também tem extensões para os principais browsers e aplicações para IOS, Android e Web e a subscrição de feeds é ilimitada.

3. Newsify

Newsify é um agregador de notícias que destaca os conteúdos pela sua simplicidade. Tem aplicações para IOS e Web e subscrição de feeds ilimitada.

4. Feedly

Este é provavelmente o agregador de conteúdos mais popular tendo muitas funcionalidades extra. A versão gratuita, contudo, só permite subscrever até 100 feeds.

As 48 Leis do Poder de Robert Greene, Resumo do Livro - As minhas notas, Parte 1 de 5

Livro As Leis do Poder, Greene

ATUALIZADO a 09/03/2020: Para uma informação mais completa do trabalho de Robert Greene, consulte o novo blogue 48-leis-do-poder-blogs.sapo.pt, com o resumo alargado do livro.

Esta é a parte 1 das minhas notas do livro As 48 Leis do Poder de Robert Greene, onde irei transcrever os pontos que considero mais relevantes das leis 1 a 10. De referir que em grande parte das leis pode aplicar-se o inverso, e dependendo do contexto.

Este livro contém algumas instruções pouco convencionais, e pode ser suscetível aos mais sensíveis. No entanto revela a verdade nua e crua de como se move o mundo do poder e dos que ambicionam lá chegar.

As 48 Leis do Poder - Parte 1 - Leis 1 a 10
As 48 Leis do Poder - Parte 2 - Leis 11 a 20
As 48 Leis do Poder - Parte 3 - Leis 21 a 30
As 48 Leis do Poder - Parte 4 - Leis 31 a 40
As 48 Leis do Poder - Parte 5 - Leis 41 a 48

#1 - Não ofusque o brilho do mestre

Faça sempre com que as pessoas acima de si se sintam confortavelmente superiores. Querendo agradar ou impressionar, não exagere ao exibir os seus próprios talentos ou poderá conseguir o contrário - inspirar medo e insegurança. Faça com que os seus mestres pareçam mais brilhantes do que o são na realidade e alcançará os píncaros do poder.

O inverso: se o seu superior é uma estrela cadente, não há perigo nenhum em brilhar mais do que ele. Se for fraco, apresse, discretamente a sua queda: supere-o, seja mais encantador, mais inteligente nos momentos chave. Se for muito fraco e estiver prestes a cair, deixe a natureza seguir o sei curso.

Lei #2 - Não confie demais nos amigos, aprenda a usar inimigos

Tenha cuidado com os amigos – estes irão traí-lo rapidamente pois são conduzidos com mais facilidade ao sentimento da inveja. Os amigos também se tornam mimados e tirânicos. Contudo, contrate um ex-inimigo e este será mais fiel que um amigo pois tem mais a provar. Efetivamente, devemos ter mais medo dos nossos amigos do que dos nossos inimigos. Se não tem inimigos encontre uma forma de os fazer.

O inverso: um homem de poder, por exemplo, necessita, frequentemente, de realizar um trabalho tido como sujo, mas para manter as aparências, é melhor deixar que os outros o façam por ele: os amigos são os mais indicados, visto estarem dispostos a arriscar-se pelo afeto que sentem. Além disso, se os seus planos não surtirem o efeito desejado por algum motivo, um amigo é um bode expiatório muito conveniente. É melhor, portanto, reservar o papel de bode expiatório para alguém próximo de si, mas não muito.

Lei #3 - Oculte as suas intenções

Mantenha as pessoas na dúvida, nunca revele o propósito dos seus atos. Se não se sabe o que nós pretendemos não existe a possibilidade de defesa. Conduza-as pelo caminho errado até bem longe, envolva-as em bastante fumo e quando elas perceberem as suas intenções, será tarde demais.

O inverso: Não há cortina de fumo, pista falsa, falta de sinceridade, ou qualquer outra tática divisionista que disfarce as suas intenções se já tiver reputação de impostor. Nestes casos, é melhor assumir, aparentar ser um patife honesto, ou melhor, um patife arrependido. Finalmente, embora seja mais sábio distrair a atenção dos seus propósitos, apresentando um exterior suave e familiar, há momentos em que o gesto colorido, visível, é a tática divisionista correta. Espetáculo   divertimento são, nitidamente, excelentes artifícios para dissimular as suas intenções, mas não podem ser usados indefinidamente.

Lei #4 - Fale sempre menos do que o necessário

Quando se procura impressionar as pessoas com palavras, quanto mais se diz, mais comuns parecemos ser e menos controlo na situação aparentemente temos. Mesmo que se diga algo banal, vai parecer original se o tornarmos vago, amplo e enigmático. Pessoas poderosas impressionam e intimidam por falar pouco. Quanto mais se fala, maior é a probabilidade de se dizer uma tolice.

O inverso: Há momentos em que não é sensato ficar calado. O silêncio pode despertar suspeitas e até insegurança, especialmente nos seus superiores, um comentário vago e ambíguo pode-nos expor a interpretações com as quais não contava. Ocasionalmente, é mais sensato imitar o bobo da corte, que se faz de tolo mas sabe que é mais esperto do que o rei.

Lei #5 - Muito depende da reputação - guarde-a com a própria vida

A reputação é a pedra de toque do poder. Com a reputação apenas pode-se intimidar e vencer, quando a perdemos ficamos vulneráveis e suscetíveis de ataques vindos de todos os lados. Torne a sua reputação inexpugnável. Esteja sempre alerta aos possíveis ataques e aniquile-os antes que aconteçam. Enquanto isso, aprenda a destruir os seus inimigos minando as suas próprias reputações. Depois, afaste-se e deixe a opinião pública acabar com eles.

O inverso: visto que temos de viver em sociedade e depender da opinião alheira, nada se ganha ao negligenciar a própria reputação. Portanto, não existe inverso para esta lei.

Lei #6 - Chame a atenção a qualquer preço

Julga-se tudo pelas aparências; o que não se vê não conta. Logo, não fique perdido no meio da multidão ou mergulhado no esquecimento. Destaque-se. Fique visível, a qualquer preço. Atraia as atenções parecendo ser maior, mais colorido, mais misterioso do que as massas tímidas e amenas.

O inverso: no início da sua subida ao top, deverá chamar a atenção a todo o custo, mas durante esta subida deve constantemente adaptar-se. Um ar de mistério funciona como uma maravilha para aqueles que precisam de desenvolver uma aura de poder e de se fazerem notar, mas deve parecer uma atitude comedida e controlada. A atenção que se chama jamais deve ofender ou desafiar a reputação dos que estão acima de si – não, de maneira alguma, se estes estiverem seguros. Não pareça querer de forma excessiva chamar a atenção, porque tal é sinal de insegurança e esta afasta o poder. Na presença de um rei ou rainha, por exemplo, ou equivalente, incline-se  e fique na sombra; não entre em competição.

Lei #7 - Faça os outros trabalharem por si, mas fique sempre com o crédito

Use a sabedoria, o conhecimento e o esforço físico dos outros para causa própria; Não só essa ajuda economizará tempo e energia, como lhe dará uma aura divina de eficiência e rapidez. No final, os seus ajudantes serão esquecidos e você será lembrado. Não faça você mesmo o que os outros podem fazer por si.

O inverso: Há momentos em que ficar com o crédito pelo trabalho dos outros não é o mais sensato: se o seu poder não está solidamente estabelecido, vai parecer que está a empurrar os outros para longe dos refletores. Tenha certeza quando é interessante para si dividir o crédito com os outros. É muito importante não ser ganancioso quando se tem um mestre me posição superior.

Lei #8 - Faça as pessoas virem até si - use um isco se necessário

Quando forçamos os outros a agir, somos nós próprios que controlamos. É sempre melhor fazer com que o nosso adversário venha até nós, abortando os seus próprios planos no processo. Seduza o adversário com a possibilidade de ganhos fabulosos – depois ataque. É você que dá as cartas.

O inverso: O ataque rápido pode ser uma arma assustadora, pois força a outra pessoa a reagir sem tempo para pensar ou planear. Sem tempo para pensar, as pessoas cometem erros de julgamento, e colocam-se na defensiva. Esta tática é o oposto de espera e colocar o isco, mas tem a mesma função: faz o seu inimigo reagir segundo os seus próprios erros. Se tiver o seu tempo a favor, e souber que está em pé de igualdade com os seus inimigos, então esgote a força dos seus adversários fazendo-os vir até ai. Se o tempo não estiver a seu favor – os seus inimigos são mais fracos e a espera só lhes dará oportunidade de se recuperar – não lhes dê essa oportunidade.

Lei #9 - Vença pelas suas atitudes, não discuta

Qualquer trunfo momentâneo que se tenha alcançado através da discussão é, efetivamente, uma vitória de Pirro: o ressentimento e a má vontade que se desperta são mais fortes e permanentes do que qualquer mudança momentânea de opinião. É muito mais eficaz fazer os outros concordarem connosco através das nossas atitudes, sem dizer uma palavra. Demonstre, não explique.

O inverso: O argumento verbal tem uma utilidade vital na esfera do poder: distrair e ocultar os seus passos quando pratica a dissimulação ou for apanhado a mentir. Nestes casos, ganha mais a argumentar com toda a convicção possível. Leve a outra pessoa a uma discussão para distraí-la dos seus movimentos dissimulados. Quando for apanhado a mentir, quanto mais emocionado e seguro parecer, menor a probabilidade de parecer que está a mentir.

Lei #10 - Contágio: evite o infeliz e o azarado

A miséria alheira pode matar-nos – estados emocionais são tão contagiosos quanto as doenças. Podemos achar ou pensar que estamos a ajudar o homem que se afoga mas sós estamos a precipitar a nosso próprio desastre. Os infelizes às vezes provocam a própria infelicidade; vão provocar a sua também. Associe-se, ao contrário, aos felizes e afortunados.

O inverso: Esta lei não aceita o inverso. A sua aplicação é universal. Nada se lucra por se associar com quem o pode contagiar com a sua miséria; só se obtém poder e sorte ao associar-se aos afortunados.

Missão cumprida: Tese de Mestrado Entregue!

Conclusão de curso na universidade

Após 20 anos da conclusão da minha licenciatura regresso aos estudos para entregar a Tese de Mestrado. Foi um ano muito intenso conciliando o trabalho com as longas horas necessárias para a tese. Agora já só falta a discussão do trabalho, mas a parte mais difícil já passou.

Há alguns anos atrás tinha estado inscrito na tese, mas na altura por diversas razões não consegui fazer a mesma. Uma das razões prendeu-se com a escolha do tema que não foi o mais apropriado e a segunda razão não ter dedicado o tempo necessário para escolher o melhor orientador. Desta vez foi diferente, o novo orientador foi exigente, mas a qualidade do trabalho foi proporcional à exigência do trabalho.

Não tive como objetivo primário na execução da tese a progressão profissional, porque trabalho na função pública, e infelizmente os benefícios que se conseguiam com a formação profissional caíram na altura em que Portugal atravessou uma grave crise com a entrada da Troika. Por exemplo, antes da Troika quem tivesse um mestrado tinha uma progressão mais rápida, progredindo de dois em dois anos ao contrário de um licenciado que progredia de três em três anos.

Neste momento mesmo com o descongelamento progressivo das carreiras, o mestrado na função pública não traz benefícios adicionais sendo a progressão normal de dez em dez anos, ou por outras palavras, é anémica.

De qualquer forma tive uma grande satisfação pessoal em propor este objetivo a mim mesmo, e conseguir atingi-lo. Os benefícios foram grandes. Ganhei uma nova forma de pensar para conseguir estruturar um trabalho desta envergadura. Ganhei uma nova capacidade de resistência ao trabalhar horas a fio por vários dias seguidos. E por fim ganhei uma grande vontade de progredir profissionalmente e estudar novas hipóteses de carreira.

27 Blogues e Sites de Finanças Pessoais Portugueses

Mealheiro

Artigo atualizado a 17/06/2020

O dinheiro é um dos recursos que está inevitavelmente presente na vida de cada pessoa. Quer tenhamos muito ou poucos recursos financeiros, é importante ter alguma literacia financeira para conseguir gerir as nossas finanças pessoais.

Embora considere-me uma pessoa interessada em vários assuntos, tenho deixado a questão do dinheiro para trás, e à parte de alguns depósitos a prazo, pouco mais tenho feito. Não estou sozinho nesta situação, e de acordo com um estudo do Banco de Portugal realizado em 2015 a maioria dos portugueses necessita de melhorias em educação financeira.

Uma das melhores formas de aprender sobre as questões do dinheiro é ler, e em Portugal felizmente já existem vários sites e blogs que providenciam informação nesta área. É importante ter em conta na leitura destes recursos que trata-se de textos de opinião. Não existem fórmulas mágicas e no final cabe a cada um fazer a sua pesquisa e tomar as suas próprias decisões.

Se seguida partilho 27 sites e blogs portugueses que o poderão ajudar a saber mais sobre finanças pessoais.

Blogues

Blogues transmitindo sobretudo o conhecimento e experiência dos autores.

1. Contas Poupança

2. Finanças com Ella

3. TaoFinance

4. Economia e Finanças

5. Economias

6. Milionário

7. As Dicas da Bá

8. Como Economizar

9. O Investidor.pt

Jornal/Magazine

Informação mais clássica ao estilo jornalístico com notícias e outros artigos relevantes.

10. Dinheiro Vivo

11. Ekonomista

12. Idealista | Finanças

13. Economia Online

14. Jornal Económico

15. O Observador | Economia

16. Jornal i | Finanças Pessoais

Trading e bolsa de valores

Para quem quer aprender sobre o investimento nos mercados financeiros.

17. Price Action

18. Admiral Markets

19. Investir na Bolsa

Sites empresariais

Sites com serviços associados mas pelo meio encontram-se alguns artigos de interesse.

20. Money Lab

21. Doutor Finanças

22. Contas Connosco

23. BIG | Finanças Pessoais

24. Planing4Life

25. Reorganiza

26. Compara Já

27. Deco Proteste | Investe

28. Nvalores

29. Arrow Plus

30. Montepio | O seu dinheiro

A Espero que esta lista de recursos o possa ajudar a perceber mais sobre como o dinheiro funciona e servir de ponto de partida para uma melhoria da sua literacia financeira. Se conhecer outro site ou blogue que não estão na lista envie uma mensagem que incluirei na mesma.

As 48 Leis do Poder de Robert Greene, Resumo do Livro - As minhas notas

ATUALIZADO a 09/03/2020: Para uma informação mais completa do trabalho de Robert Greene, consulte o novo blogue 48-leis-do-poder-blogs.sapo.pt, com o resumo alargado do livro.

Na subida ao poder não existe fator mais importante do que as relações interpessoais. A eficácia desta relação é tanto uma ciência como uma arte. Robert Greene, na sua obra As 48 Leis do Poder, descreve através de fatos históricos como as leis do poder nos dias de hoje permanecem as mesmas que nos últimos três mil anos.

A essência da natureza humana, com as suas ambições e fragilidades, e ao contrário da tecnologia e ciência não mudou assim tanto. Este livro em especial é um dos meus favoritos, porque explica o comportamento das pessoas num ambiente empresarial ou político.

Trata-se de uma narrativa que assemelha à Arte da Guerra de Sun Tzu, mas muito mais desenvolvido nas suas quase 500 páginas de leitura.

Algumas pessoas associam este livro ao pensamento maquiavélico, mas mesmo que não tenha ambições de ascender ao poder, trata-se de um livro bastante útil para entender como pensam os que detêm posições de destaque na sociedade.

As 48 Leis do Poder - Parte 1 - Leis 1 a 10
As 48 Leis do Poder - Parte 2 - Leis 11 a 20
As 48 Leis do Poder - Parte 3 - Leis 21 a 30
As 48 Leis do Poder - Parte 4 - Leis 31 a 40
As 48 Leis do Poder - Parte 5 - Leis 41 a 48

O livro é dividido por 48 capítulos correspondendo às 48 leis do poder:

1. Não ofusce o brilho do mestre

2. Não confie demais nos amigos, aprenda a usar inimigos

3. Oculte as suas intenções

4. Diga sempre menos do que o necessário

5. Muito depende da reputação - guarde-a com a própria vida

6. Chame a atenção a qualquer preço

7. Faça os outros trabalharem por si, mas fique sempre com o crédito

8. Faça as pessoas virem até si - use um isco se necessário

9. Vença pelas suas atitudes, não discuta

10. Contágio: evite o infeliz e o azarado

11. Aprenda  a manter as pessoas dependentes de si

12. Use a honestidade e a generosidade selectivas para desarmar a sua vitíma

13. Ao pedir ajuda, apele para o egoísmo das pessoas, jamais para a sua mesericórdia ou gratidão

14. Finja ser amigo, aja como espião

15. Aniquile totalmente o inimigo

16. Use a ausência para aumentar o respeito e a honra

17. Mantenha os outros num estado latente de terror: cultive uma atmosfera de imprevisibilidade

18. Não construa fortalezas para se proteger - o isolamento é perigoso

19. Saiba com quem lida - não ofenda a pessoa errada

20. Não se comprometa com ninguém

21. Aparente ser otário para enganar os otários - aparente ser mais burro do que o normal

22. Use a tática da rendição: transforme a fraqueza em poder

23. Concentre as suas forças

24. Represente o perfeito cortesão

25. Recrie-se

26. Mantenha as mãos limpas

27. Jogue com a necessidade que as pessoas têm de acreditar em algo para criar um séquito de devotos

28. Seja ousado

29. Planeie até ao fim

30. Faça as suas conquistas parecerem fáceis

31. Controle as opções: quem dá as cartas é você

32. Desperte a fantasia das pessoas

33. Descubra o ponto fraco de cada um

34. Seja aristocrático na sua própria forma: aja como um rei para ser tratado como tal

35. Domine a arte de saber qual o tempo certo

36. Despreze o que não puder ter: ignorar é a melhor vingança

37. Crie espetáculos atraentes

38. Pense como quiser, mas comporte-se como os outros

39. Agite as águas para atrair os peixes

40. Despreze o que vier de graça

41. Evite seguir os passos de um grande homem

42. Ataque o pastor e as ovelhas dispersar-se-ão

43. Conquiste o coração e as mentes dos outros

44. Desarme e enfureça com o efeito espelho

45. Pregue a necessidade da mudança, mas não mude muita coisa ao mesmo tempo

46. Não pareça perfeito demais

47. Não ultrapasse a meta estabelecida; na vitória aprenda a parar

48. Evite ter uma forma definida

Como Perder o Medo de Falar em Público

Pessoas num teatro com palco iluminado

Atualizado a 04/12/2019

Falar em público é um dos medos universais que está presente na maioria das pessoas. A ideia de alguém se dirigir a um palco ou falar para um grupo de pessoas pode ser aterradora. Eu era umas dessas pessoas, e já há algum tempo resolvi aderir aos Toastmasters que basicamente tem com principal finalidade providenciar aos seus membros a possibilidade de aprender e treinar o discurso público, num ambiente de apoio e suporte mútuo.

A Toastmasters está presente em Portugal deste 2006 com vários clubes de norte a sul do país. As sessões dos clubes realizam-se semanalmente ou quinzenalmente, e são diferentes de outro tipo de formações na medida em que não existem formadores. Os membros praticam o discurso público e recebem feedback imediado com a indicação dos pontos fortes e os pontos que necessitam de melhoria.

Os percursos de comunicação são escolhidos individualmente por cada membro, com projetos definidos em áreas como a influência persuasiva, liderança dinâmica, domínio da apresentação, estratégias motivacionais, comunicação visionária e relacionamentos estratégicos. Em todas as áreas são organizados e apresentados discursos em público.

O nervosismo de falar em público existe sempre, mesmo para os oradores mais experientes, diminuindo gradualmente com a prática e o tempo em palco. Aliás, uma pequena dose saudável de medo melhora a performance, porque ajuda a projetar um maior entusiasmo, condição essencial para uma boa oratória. A Toastmasters permite esta prática de desenvolvimento pessoal em sessões periódicas organizadas num ambiente positivo e entre-ajuda.

Como criar o hábito de escrever: desafio 30 artigos em 30 dias

maquina-de-escrever.jpeg

 Talvez não exista uma melhor forma de iniciar este blog do que com um novo hábito diário. Escrever 30 artigos em 30 dias. Este desafio vem na sequência de já ter iniciado alguns blogs no último ano, mas não ter tido sucesso na sua continuação.

Cheguei a comprar alguns domínios no Namecheap e alojamento próprio no Wordpress, portanto incorri em despesas iniciais sem haver necessidade disso. De qualquer forma não quero desistir da blogosfera sendo que alguns dizem que a melhor forma de aprender é com os erros. Aqui estou para uma nova tentativa.

A dificuldade em escrever consistentemente não é nada de novo, e muitos bloggers e escritores têm desenvolvidos técnicas contra esta inércia. Uma das técnicas é dedicar um tempo todos os dias (criando um hábito) para escrever.

O National Novel Writing Month*, ou abreviadamente NaNoWriMo, lança um desafio aos participantes de escrever um romance em apenas 30 dias. No meu caso não irei escrever um romance (pelo menos por agora!), mas apenas dedicar algum tempo todos os dias a escrever um artigo e publicar neste blog.

Para que o desafio e os próximos 30 dias possam ter a melhor hipótese de sucesso é importante definir algumas regras à partida. Cada artigo não deve ser demasiado extenso tendo o mínimo de 300 palavras. Por outro lado é também importante criar logo desde o início o hábito dos artigos poderem ser otimizados para motores de busca.

A otimização para motores de busca, ou search engine otimization (SEO), é uma área muito vasta existindo sites e blogues dedicados exclusivamente a este tema. Irei introduzir duas técnicas simples de SEO: criar ligações para outros sites e blogs e adicionar uma fotografia a cada artigo.