Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Daily Habit

Diário de produtividade pessoal

The Daily Habit

Diário de produtividade pessoal

Metas de Finanças Pessoais

No artigo Como Enriquecer? Os Quatro Quadrantes da Independência Financeira de Rich Dad escrevi sobre as formas de rendimento que temos ao nosso dispor divididas em quatro categorias.

Os quatro quadrantes de Rich Dad

Empregado (E) – As pessoas que têm um emprego ou trabalham por conta de outrem.

Autónomo (A) – As pessoas que trabalham por conta própria ou criaram o seu próprio emprego.

Dono (D) – As pessoas que têm uma empresa ou negócio e colocam os outros a trabalhar para elas através de um sistema.

Investidor (I) – As pessoas que põem o dinheiro a trabalhar para elas.

Exemplo pessoal

Neste artigo dou o exemplo pessoal nestas categorias, convidando-o a fazer o mesmo exercício. É uma forma de aprender e praticar sobre literacia financeira.

Atualmente estou empregado (E) e nos meus tempos livres opero na bolsa de valores (A).

Considero a bolsa de valores como o próprio emprego (A) e não como investimento (I) porque faço day trade, a forma mais ativa de negociação nos mercados financeiros que requer uma atenção plena, comprando e vendendo ações no próprio dia. É uma especie de segundo emprego em que trabalho para mim próprio.

Por outro lado, se comprasse ações de uma empresa e as mantivesse durante meses ou anos recebendo dividendos, isto era considerado um investimento (I).

Ser dono numa empresa (D) segundo Rich Dad, é uma meta que muitos poucos alcançam. Isto significa ter parte de uma empresa ou negócio com o mínimo de intervenção pessoal, colocando os outros ao nosso serviço. Aquilo a que muitos pensam ser um negócio (D) não é mais do que um emprego próprio (A) em que uma pessoa se “escalfa” a trabalhar.

Pessoalmente, não tenho o objetivo de ter uma empresa (D), nem a personalidade para tal. Ter a preocupação de criar rendimentos para pagar empregados e todas as contas de um negócio ao final do mês, não é simplesmente para mim. Talvez o leitor se reveja neste quadrante, cada pessoa é única.

Os meus objetivos de curto-prazo?

Continuar a trabalhar no meu humilde emprego (E), em que ganho pouco mas gosto do que faço, dando para pagar as contas e pouco mais.

Continuar a desenvolver a estratégia de operação nos mercados financeiros a tempo parcial (A), esperando chegar a um momento em que os rendimentos na bolsa sejam equivalentes aos do trabalho (E).

Considerações finais

Os Quatro Quadrantes de Rich Dad são uma boa ferramenta para analisarmos e estabelecermos metas de finanças pessoais.

Em função da nossa personalidade e necessidades escolhemos o quadrante ou quadrantes que queremos desenvolver: empregado (E), autónomo (A), dono (D), investidor (I). Não existem quadrantes piores ou melhores.

Especulação Financeira

Ultimamente não tenho publicado no blog tanto como gostaria, talvez por estar mais ocupado com os mercados financeiros, com a carreira em segundo plano.

No entanto, as finanças pessoais sempre ocuparam lugar aqui, com o artigo 27 blogues e sites de finanças pessoais como uma das publicações mais lidas.

Comprei o livro publicado recentemente em Portugal, Reminiscências de um Especulador Financeiro, com as crônicas de um dos maiores traders de sempre que ganhou e perdeu fortuna várias vezes em Wall Street no início do século XX, Jesse Livermore.

No dicionário Priberam, especular tem os significados:

  1. Estudar, observar com atenção, não prática, mas teoricamente. = INVESTIGAR

  2. Formular hipóteses, sem se ter fundamentos ou factos concretos. = CONJECTURAR

  3. Procurar vantagens próprias

Especular não é o mesmo que jogar, pois implica investigar e conjecturar.

Na prática, especular é comprar barato e vender caro, aguardando pelo melhor momento de negociação. Isto aplica-se a imóveis, ações, arte e tudo o que tem valor.

Uma das caracteristas fundamentais da especulação é a incerteza, em que nada é garantido, sendo mais uma arte do que uma ciência.

Talvez por isso, a especulação não seja para todos. Os retornos podem ser grandes, mas as perdas também.

O Método dos 4 Passos para os Obsessivo Compulsivos

Brain Lock de Jeffrey M. Schwartz

Sempre fui muito obssecado e compulsivo com as tarefas que tive pela frente. Alguns exemplos incluem aprender inglês, estudar yoga, problemas no trabalho, negociar nos mercados financeiros e muitas outras atividades.

Se um certo nível de obsessão é saudável para se evoluir em qualquer matéria, por outro lado, os excessos podem ser prejudiciais para a saúde, originando níveis indesejados de ansiedade e até insónias. No extremo, chega-se ao transtorno obsessivo compulsivo, uma condição médica.

Na minha pesquisa por este tipo de condição, e a título de auto ajuda, li o livro do psiquiatra americano Jeffrey M. Schwartz, Brain Lock, que na tradução para o português pode ser lido literalmente como Cérebro Bloqueado.

Schwartz apresenta uma abordagem de quatro passos para tratar o transtorno obsessivo compulsivo, com base na Terapia Cognitiva ComportamentalMindfulness.

Passo 1: Rotular

Quando um pensamento obsessivo ou um comportamento compulsivo ocorre, a primeira coisa a fazer é ter consciência do pensamento ou comportamento.

Passo 2: Reatribuir

Depois da tomada de consciência, é importante reconhecer que o problema não está na pessoa, mas sim na condição médica deste transtorno, que o autor acredita ser causado por um desiquilibrio químico no cérebro.

Passo 3: Recentrar

Depois dos primeiros dois passos, chegamos à parte prática que exige um maior esforço e força de vontade. Em vez de reagirmos de imediato ao comportamento compulsivo, o melhor é virar a nossa atenção para outra tarefa qualquer que seja agradável ou útil. Schwartz usa como bitola de tempo o período de 15 minutos para nos concentramos noutra atividade, que pode ser aumentada ao longo do tempo.

Passo 4: Reavaliar

O quarto e último passo, a reavaliação, é um processo contínuo, que vai sendo desenvolvido com a prática dos três primeiros passos. Vamos tomando consciência do transtorno obsessivo compulsivo, ao mesmo tempo esperando que as obsessões e compulsões vão se tornando cada vez com menor intensidade. A ansiedade associada também deverá reduzir com uma melhoria do bem estar.

O método dos quatro passos na prática

Passo 1: Reconheço que estou a ter um pensamento obsessivo (dar nome) e/ou um comportamento compulsivo (dar nome).

Passo 2: Este pensamento e/ou comportamento não sou eu, é um desiquilibrio químico no meu cérebro.

Passo 3: Vou agora concentrar-me noutra tarefa pelo menos quinze minutos e depois já volto ao pensamento ou comportamento anterior.

Passo 4: Repetir os três primeiros passos pelo menos uma vez por dia, aumentado cada vez mais o tempo no passo 3, e chegar a um momento em que os pensamentos obsessivos e/ou comportamentos compulsivos já não controlam tanto a nossa vida.

Conclusão

transtorno obsessivo e compulsivo é uma condição médica séria que Schawartz acredita ser causada por um desiquilibrio químico no cérebro. Ao se praticar o método dos quatro passos, baseado no Terapia Cognitiva ComportamentalMindfulness, este desiquilibrio poderá ser reduzido, com o objetivo de chegar a um momento em que já não somos governados por impulsos destruidores.

É importante notar que este método exige uma prática continua e persistente se uma pessoa quer ver resultados, porque é muito fácil voltar à maneira antiga de fazer as coisas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub