Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Daily Habit

Diário de produtividade pessoal

The Daily Habit

Diário de produtividade pessoal

Como Lidar com um Chefe Tóxico

Duas pessoas zangadas

Quem tem ou teve de trabalhar para um chefe tóxico compreende como é difícil por vezes aguentar emocionalmente e fisicamente as condições e pressão no escritório. Quem ainda não teve, a probabilidade de encontrar um no futuro é grande.

De acordo com um estudo do Workplace Bullying Institute nos Estados Unidos, 19 por cento dos trabalhadores Americanos são vítimas de bullying no local de trabalho, 40 por cento das vítimas têm problemas adversos de saúde e outras 65 por cento acabam por deixar os seus trabalhos como forma de lidar com a situação. De notar ainda que 61 por cento dos bullies são chefes.

Embora não conheça estudos organizacionais realizados em Portugal, assumo que as estatísticas não devam ser muito diferentes por cá, traduzindo-se num grande sofrimento para os afetados.

O chefe tóxico que pratica bullying

Dentro dos tipos de comportamento dos chefes tóxicos, o pior tipo de chefe é aquele que pratica bullying sobre os seus subordinados. Este fenómeno não está apenas reservado aos mais novos na idade escolar, e infelizmente prolonga-se pela vida adulta para muitas pessoas no seio das organizações.

No entanto não vale a pena desesperar. O importante é compreender o mecanismo do bullying e encontrar formas de lidar com o problema.

O chefe bully opera na premissa de causar medo aos seus subordinados na tentativa de ganhar o seu respeito e cooperação, segundo a Educba. Este tipo de chefe mina a confiança e desvaloriza as competências dos seus colaboradores.

Se estive exposto ao bullying, é importante acalmar-se, pensar objetivamente e perguntar a si próprio:

  • Qual é a pior coisa que me pode acontecer?
  • Se o pior acontecer, como irei lidar com a situação?
  • Senão conseguir lidar com a situação, qual a ação que irei tomar?

Táticas Maquiavélicas

Os chefes tóxicos ou bullies operam muitas vezes recorrendo a táticas Maquiavélicas. A sua principal preocupação é manter o ego e o poder, de forma a poderem coagir e intimidar os outros.

Este tipo de chefes classifica as pessoas e age de acordo. Os profissionais competentes que o desafiam são uma ameaça. Os profissionais com menores competências acabam por ser encostados, pois não servem para nada. Os restantes profissionais, os medianos, se os apoiam nos seus jogos acabam por cair na sua graça.

Uma estratégia pouco confortável, mas que pode ser eficaz, é apresentar as suas ideias numa forma que o mesmo permita ter crédito. Desta forma permite ao seu chefe manter o seu ego.

Escolher as batalhas

As batalhas devem ser escolhidas inteligentemente com este tipo de chefes, e com o intuito de se proteger emocionalmente, segundo a Talent Smart. Muitas vezes existem situações de pouca importância, que independentemente do seu desfecho não criam grande transtorno. Guarde a sua energia para as batalhas que considera importantes, e deixe o resto seguir o seu caminho.

Estabelecer limites

Segundo a Entrepreneur, a linguagem corporal é uma forma efetiva de lidar com um chefe bully. É recomendado manter a distância da peça sempre que possível, e na presença da mesma virar as costas ou os lados do corpo.

Quando tiver de encarar diretamente o seu chefe bully, foque-se em levantar o seu peito e queixo de uma forma confiante mas não desafiadora. Este postura indica que está disposto a comunicar mas não se sente intimidado.

A linguagem corporal é um meio de comunicação mais forte do que as palavras, porque o bully pode utilizar o que disse contra si, mas mais dificilmente utiliza a sua expressão corporal.

A importância da objetividade

Quando falar com o seu superior prepare uma lista de factos, e evite divagar, pois um chefe tóxico ou bully é perito em gerar o caos e confusão emocionais. A importância da objetividade é fundamental nestes casos.

Se a situação se complicar muito, e como último recurso, deverá comunicar à hierarquia superior do comportamento irracional do seu chefe e das dificuldades em comunicar com o mesmo. Deverá passar uma mensagem clara ao seu chefe de que não tolera este tipo de comportamento e de como o faz sentir-se mal.

Conectar-se com outras pessoas

De acordo com a Management Matters é importante conectarmos com outras pessoas do trabalho, pois certamente existem mais indivíduos que estão sentir os efeitos indesejados de um chefe tóxico. As pessoas quando se unem numa causa são mais fortes. Aliás, o isolamento é uma das técnicas utilizadas pelos bullies para diminuir as suas vítimas. Deverá portanto nos bons e maus momentos conviver mais com os seus colegas.

O último passo (se necessário)

Por fim, senão conseguir encontrar uma solução para lidar com um chefe tóxico ou bully, deverá contactar alguém mais acima na hierarquia ou os recursos humanos e tentar mudar de departamento, ou mesmo procurar outra empresa para trabalhar se necessário.

1 comentário

Comentar post