Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

The Daily Habit

Diário de produtividade pessoal

The Daily Habit

Diário de produtividade pessoal

Fundo de Investimento da Caixagest Ações Líderes Globais: Será que Vale a Pena?

Reunião de negócios

Esta semana dirigi-me a um balcão da Caixa Geral de Depósitos, onde tenho uma das minhas contas, para me informar acerca da subscrição de divida pública portuguesa. Foi-me comunicado que neste momento não se encontra a decorrer nenhuma operação de oferta de obrigações de divida pública, sendo difícil encontrar obrigações no mercado secundário. Foi também sugerido, por uma das gestoras de conta, que em alternativa poderia subscrever o fundo de investimento da Caixagest Ações Líderes Globais, uma empresa do grupo CGD.

Neste momento o meu principal objetivo é aplicar as minhas poupanças em outros produtos, que não os depósitos a prazo, que atualmente contam com uma taxa de juro anémica. Já estudei os certificados de aforro, que também pertencem ao grupo da divida pública, habitualmente subscritos nos CTT e que contam com rendimentos superiores aos depósitos a prazo. Sei que a proposta da gestora da conta não é parcial, até porque está a recomendar uma aplicação do grupo CGD, mas no entanto requer uma análise minha tendo em conta as considerações que irei descrever de seguida.

Um Fundo de Investimento Mobiliário (FIM), e de acordo com a Caixagest, é definido como:

Instrumento de poupança coletiva constituída por um somatório de parcelas de investimento individual de vários investidores, denominados Participantes, e destinados ao investimento numa carteira diversificada de ativos financeiros. São geridos por gestores profissionais e administrados por uma sociedade gestora que tem a responsabilidade de os aplicar segundo critérios estabelecidos por regulamentos de gestão de cada fundo. Os fundos não oferecem rendimentos fixos e não são aplicações financeiras com taxa de juro. O Participante não faz um depósito mas participa no fundo através da aquisição de uma determinada quantia, expressa em Unidades de Participação (UP). O valor da UP de cada fundo evolui ao longo do tempo, negativamente ou positivamente, consoante a evolução dos ativos detidos em carteira em cada momento.

De acordo com a ficha do produto Caixagest Ações Líderes Globais a que tive acesso, as taxas de rentabilidade são interessantes, mas como alguns investidores já sabem, boas rentabilidades passadas não significa obrigatoriamente boas rentabilidades futuras. Trata-se de um fundo com início de atividade em 2013 com uma carteira composta por 25 das maiores multinacionais a nível mundial e de marcas muito reconhecidas como a Coca-Cola, Nike, Siemens, Exxon Mobil, Visa, BASF, Johnson & Johnson, Microsoft e Apple. É uma carteira diversificada pelos setores alimentar, bens de consumo, bens industriais, energia, financeiras, materiais, saúde e tecnologias de informação.

O que me saltou à primeira vista foi a notoriedade das marcas, o que pode ajudar na estabilidade do fundo, mas depois continuei a analisar a ficha do produto até à classe do risco. Este fundo, e numa escala de 1 a 7, o indicador sintético de risco e remuneração (ISRR) representa um valor de 5, que é considerado para um perfil de investidor segundo a CGD de arrojado com prazo recomendado na permanência do fundo superior a 5 anos.

Quis perceber porque um fundo com marcas tão reconhecidas representa um nível risco elevado. No final da ficha são descritos os riscos mais relevantes, em que se encontram os riscos cambial, fiscal, operacionais e derivados. Os três primeiros riscos são comuns, mas o último risco dos derivados é habitualmente considerado elevado, e de uma construção complexa. Possivelmente o risco elevado do fundo advém da utilização de instrumentos derivados, mas também com possibilidades de maiores rendimentos.

Depois de analisar o fundo proposto pela gestora de conta da CGD, Caixagest Líderes Ações Globais, verificou-se que o mesmo tem possibilidade de bons rendimentos, sendo no entanto à custa de um risco elevado tendo em consideração a utilização de derivados, um instrumento financeiro complexo. De qualquer forma, talvez ainda considere posteriormente este produto para uma análise mais detalhada, e depois de ter verificado outros produtos financeiros.