Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Daily Habit

Diário de produtividade pessoal

The Daily Habit

Diário de produtividade pessoal

O Que o Ashtanga Yoga e o Day Trading Têm em Comum?

Praticante de yoga | Trader com computadores

Esta pergunta poderá intrigar o leitor, porque à partida nunca pensaria relacionar a prática do yoga com o investimento nos mercados financeiros ou trading.

Nas disciplinas do yoga e trading existem vários sistemas e filosofias, pelo que neste artigo desenvolvo os principais pontos quem unem o ashtanga yoga ao day trading, ambos métodos que prático.

1. O ashtanga yoga e o day trading são conhecidos como as formas mais difíceis dentro de cada especialidade

O ashtanga yoga é constituído por uma sequência de 72 posturas existentes fisicamente, ligadas entre si por movimento e coordenação da respiração, o o que requer uma grande estamina do praticante.

No day trading negoceiam-se títulos financeiros, aproveitando as flutuações diárias de preço, entrado e saído de várias posições no mesmo dia, o que implica a tomada de decisão rápida, com a gestão de emoções complexas como o medo e a ganância.

2. Praticados diariamente

O ashtanga yoga e o day trading são praticados diariamente. A única exceção é um dia de descanso semanal no caso do ashtanga (habitualmente ao sábado ou domingo) e ao fim de semana no caso do trading em que os mercados estão fechados.

3. Foco numa única sequência de posturas ou titulo

No ashtanga yoga é praticado sempre a mesma sequência de posturas todos os dias. Só quando o praticante dominar a primeira sequência de posturas passa para a seguinte. Isto poderá levar anos a acontecer ou mesmo nunca ocorrer.

Na estratégia de day trading que utilizo só negoceio uma unica ação. Isto permite conhecer o "temperamento" de cada título em profundidade, só acrescentando outro título se conseguir retirar o máximo de rentabilidade do primeiro. Como no ashtanga, isto pode lavar anos ou mesmo nunca acontecer.

O praticante só precisa de uma sequência de yoga, como o trader só precisa de uma ação para ter sucesso. O que importa é a viagem, e não o destino.

4. 1% teoria e 99% prática

O criador do método do ashtanga yoga, Shri K. Pattabhi Jois (1915-2009), dizia que o ashtanga é 1% teoria e 99% prática. Isto quer dizer por mais que tentemos ler e aprender sobre o método, nada substitui o trabalho, dedicação e experiência.

O day trading é idêntico. Existem dezenas, ou mesmo centenas de teorias e filosofias de investimento. Só quando o investidor persistir concentrando-se no desenvolvimento de uma estratégia sua e única, poderá ter sucesso.

5. Cada dia traz uma experiência diferente

O dilema do ashtanga yoga e day trading é que mesmo com uma prática fixa (a mesma sequência de posturas no ashtanga e o mesmo título no trading), nenhum dia é igual.

No ashtanga existem dias em que o praticante está mais cansado ou mais energético, não consegue focar-se por causa de um problema profissional ou pessoal, simplesmente teve um almoço em que comeu muito o que o dificulta a prática, etc.

No trading o comportamento dos mercados é errático, não existem certezas absolutas, e tudo pode ter um impacto no comportamento de um título (notícias, políticas económicas, falências, etc).

Encontrar o Caminho nas Finanças Pessoais

Seja para preparar a reforma, ter um pé de meia em caso de urgência ou obter um rendimento extra, devemos cuidar das nossas finanças pessoais para um futuro mais confortável.

O dinheiro não é tudo, mas ajuda em muita coisa na vida, principalmente numa sociedade capitalista como a nossa. O objetivo de uma pessoa “normal” não passará pela ganância, mas sim em proporcionar qualidade de vida ao próprio e família, e ajudar o próximo se possível.

Pilares das finanças pessoais

Os três pilares das finanças pessoais são ganhar, poupar e investir. Ganhar como empregado, trabalhador por conta própria ou dono de um negócio. Poupar uma percentagem do que se ganha, seja 5, 10 ou 20%. Investir as poupanças em instrumentos de rentabilização do dinheiro de acordo com a personalidade e apetência ao risco de cada um.

Este último ponto do investimento é bastante vasto, mas em termos gerais, e mantendo as coisas simples, existem dois tipos de veículos financeiros que têm passado o teste do tempo: o imobiliário e os mercados financeiros.

Dois tipos de investimento

Tanto o imobiliário como os mercados financeiros têm aplicações com vários níveis de risco.

Imobiliário

Por exemplo, comprar uma casa para habitação própria é uma escolha inteligente e de baixo risco desde que o valor da prestação bancária represente uma pouca parte do rendimento mensal. Por outro lado, um investimento na construção de uma nova casa para venda a terceiros na expectativa de um retorno financeiro, e dependendo da localização, pode ser arriscado.

Mercados financeiros

No caso dos mercados financeiros, investir a longo prazo (vários anos) num fundo indexado ao índice norte americano s&p 500, como Warren Buffet recomenda, tem um retorno anual médio histórico perto dos 10%, pelo que o risco é moderado. Noutro caso, em que um investidor opta por comprar ações de uma empresa sem basear-se em qualquer ripo de análise e experiência, está simplesmente a jogar na bolsa, sendo uma operação muito arriscada.

Resultados passados não são garantia de resultados futuros, mas dá para ter uma ideia.

Seja qual for o caminho a seguir nas finanças pessoais, é importante começar o mais cedo possível, estudando e analisando o risco de cada veículo financeiro.

 

Introdução à Bolsa de Valores: Conhecer os Principais Índices de Ações Mundiais

Este tempo de recolha e contenção com a pandemia do Covid-19 condiciona a nossa atividade, porque deixamos de fazer muitas coisas que tomamos como facto adquirido.

Mas se por um lado não podemos nos envolver em certas rotinas, por outro lado é libertado tempo para desenvolver outras tarefas que possam ser executadas a partir de casa.

Aprender sobre a bolsa de valores

Uma destas tarefas, e para quem tem interesse ou inclinação para tal, é aprender sobre os mercados financeiros e a bolsa de valores. As baixas taxas de juro praticadas pelos bancos nos depósitos poupança e outros produtos similares, é um alerta para se procurarem formas alternativas de rentabilizar o dinheiro, por pouco que seja.

Neste artigo vou introduzir os mercados financeiros ao leitor ou leitora interessado nesta temática. Trata-se de uma área vasta e complexa à primeira vista, mas como em qualquer nova disciplina que se aprende, deve ser decomposta nas suas partes, e estudada passo a passo. No final do artigo encontra um pequeno exercício para colocar em prática o conhecimento.

Os mercados financeiros são compostos por muitos produtos em que se incluem as ações, obrigações, futuros, opções, forex, derivados, etc. Para efeitos de simplificação e introdução irei aqui abordar apenas o mercado de ações.

Acompanhar as notícias financeiras

O primeiro passado na aprendizagem dos mercados financeiros é acompanhar regularmente as notícias financeiras e conhecer os principais índices mundiais de ações. Um índice engloba um conjunto de várias empresas representativas de um segmento económico, e é constituído por ações que se compra e vende nas bolsas de valores.  Para tal, recomendo a aplicação do Yahoo Finance pela sua simplicidade, disponível tanto no Android como no IOS.

Na imagem seguinte encontra-se a página das notícias financeiras que podem influenciar os mercados, como por exemplo o impacto do coronavírus que estamos agora a viver. Digo que pode influenciar, porque não existe tal coisa como certezas no investimento da bolsa. Os mercados podem perfeitamente ser irracionais, que são compostos por um coletivo de pessoas, e irem contra o que se esperava de uma notícia.

Yahoo Finance Notícas

Ao clicar na aba dos mercados do Yahoo Finance tem acesso às principais bolsas de valores mundiais localizadas nos EUA, Europa e Ásia.

Índices Americanos

Os principais índices americanos são o Dow, S&P500 e Nasdaq. O Dow acompanha as 30 maiores empresas americanas como a Coca-Cola e McDonalds’s. O S&P 500 acompanha as 500 maiores empresas americanas em diversas indústrias e setores como a 3M Company e AT&T. O Nasdaq acompanha aproximadamente 3.000 empresas no setor tecnológico e de inovação como a Apple e Microsoft.

Yahoo Finance - Dow, S&P 500 e Nasdaq

Índices Europeus

Os principais índices europeus são o FTSE 100, DAX e CAC 40. O FTSE 100 é constituído pelas 100 ações mais representativas da Bolsa de Valores de Londres com o Barclays ou Royal Mail. O DAX é uma relação das 30 empresas com melhor performance da Alemanha como a Adidas, Allianz ou BMW. O CAC 40 reúne as 40 maiores empresas de França com a Accor e Peugeot.

Yahoo Finance - FTSE 100, DAX e CAC 40

Índices Asiáticos

Os principais índices amercados são o Nikkei, Hang Seng e Shanghai. Nikkei é o principal índice económico da Bolsa de Valores de Tóquio e conta com empresas como a Toyota, Honda ou Daikin. Hang Seng é o índice da Bolsa de Valores de Hong Kong tem empresas como a Industrial and Commercial Bank of China ou China Mobile Limited. O indíce da Bolsa de Valores de Shanghai tem empresas como a Air China ou Bank of China.

Yahoo Finance - NIkkei, Hang Seng e Shangai

A sua tarefa

Dedicar 15 minutos ao final do dia para ler os cabeçalhos das principais notícias do dia e consultar a evolução dos preços dos índices, respondendo a três perguntas:

Os índices subiram ou desceram hoje?

Houve alguma relação com as notícias?

Qual a evolução dos índices na última semana, mês, 1 ano, 5 anos?

 

Como Ficar Milionário em Portugal

Cidade de Lisboa

Há alguns anos atrás, ficar milionário em Portugal era exclusivo de um núcleo muito reduzido de pessoas. Ganhar um milhão de euros era extremamente difícil, senão mesmo impossível para o comum dos mortais.

Contabilizando o efeito da inflação ao longo do tempo, com os aumentos salariais e de rendimentos, incluindo a valorização do imobiliário, embora não sendo fácil, cada um de nós está mais perto do estatuto de milionário do que pode pensar.

Um relatório do Credit Suisse consultado no jornal JN diz que Portugal em 2019 tinha 117 mil milionários e que dentro de cinco anos deverá contar com 174 mil.

Neste artigo quero partilhar com o leitor ou leitora os três pilares que julgo essenciais para ter uma boa hipótese de se juntar ao clube dos milionários portugueses.

1.º Pilar: Ganhar

O primeiro pilar no caminho para o primeiro milhão é ganhar dinheiro. Pode ser conseguido através da carreira e conhecimentos, negócios ou propriedade intelectual.

Desenvolva a sua carreira e conhecimentos

Muitos milionários atingem este estatuto porque trabalham mais que a média, obtêm diplomas, designações profissionais e certificações aumentando os seus conhecimentos. Estão dispostos a dedicar o tempo necessário à aprendizagem para se tornarem especialistas e ganharem mais.

Crie um negócio

Um negócio é uma alternativa para obter rendimentos, destinado a pessoas que valorizam mais a independência em detrimento da segurança que um emprego pode proporcionar.

Numa empresa de serviços, criar um modelo de negócios que seja duplicável pode ser um desafio; normalmente o negócio está na sua área de especialização e a pessoa é o próprio negócio. Precisa de descobrir uma maneira de treinar outras pessoas para fazer o que faz, e alavancar a sua intervenção dedicando-se mais à estratégia e crescimento do negócio.

Se criar um produto em vez de um serviço, precisa de descobrir como comercializar, fabricar ou revender, e distribuir o produto com lucro.

Crie propriedade intelectual

A propriedade intelectual inclui livros, marcas registadas, patentes, software, licenças, música, arte, etc.. Alguns profissionais usam os seus conhecimentos para escrever livros e fazer consultoria na sua área. Também podem planear seminários, workshops e programas de formação onde promovem os seus serviços especializados.

Artistas como atores e cantores transformam a sua imagem num produto comercial. Também se inclui aqui os políticos que vendem a sua imagem através do marketing pessoal. A propriedade intelectual é válida para todas as profissões. Eletricistas, canalizadores, marceneiros, pedreiros e outros artesãos podem criar novas ferramentas para usar na sua indústria.

2.º Pilar: Poupar

O 2.º pilar para ficar milionário é aprender a poupar de forma consistente parte de tudo o que se ganha, e ganhar mais do que se gasta. O valor que precisa de economizar depende do tempo e da taxa de retorno esperada.

O maior erro que as pessoas cometem, e que as impede de alcançar o estado de milionário, é que mal os seus rendimentos sobem começam a gastar mais. Pelo contrário, deve aumentar a quantia que economiza à medida que obtém maiores rendimentos,

Tenha um plano em que todos os meses retira do seus rendimentos uma percentagem para duas contas: de poupança e de emergência. Um fundo de emergência é essencial para não recorrer à sua poupança em caso de necessidade.

3.º Pilar - Investir

O 3.º e último pilar para ser milionário é fazer crescer as suas poupanças recorrendo ao investimento imobiliário ou a outros investimentos inteligentes.

Invista em imobiliário

Os milionários do setor imobiliário dedicam muito trabalho no início de cada empreendimento, aguardando pacientemente os rendimentos mais tarde na forma de rendas e na apreciação do património. Quem desenvolve projetos imobiliários assume riscos significativos; alguns projetos geram grandes lucros e outros grandes perdas. Esteja preparado para os altos e baixos deste tipo de investimento.

Faça investimentos inteligentes

Ser um investidor inteligente não significa jogar no mercado de ações e esperar que encontre a próxima Apple ou Amazon, enriquecendo no processo. Deve descobrir quais os investimentos que são adequados ao seu caso, considerando os seus conhecimentos, apetência ao risco e personalidade. Isto poderá significar subscrever um plano de poupança reforma, investir no mercado acionista e obrigacionista, comprar um negócio ou outra qualquer forma de rentabilização do dinheiro.

Não precisa de ter uma grande disponibilidade financeira para começar a investir. Encontre um valor com o qual se sinta confortável, por pouco que seja, e comece por ai.

Conclusão

Ser milionário em Portugal pode parecer um sonho, mas cada vez mais portugueses estão a atingir este patamar, e a tendência é para continuar. O segredo é começar o mais cedo possível com os hábitos de ganhar, poupar e investir que acabei de descrever, mantendo a disciplina e um forte desejo de melhorar a sua condição financeira.

Texto adaptado de The Balance - The Best Ways to Become a Millionaire

 

A Vergonha dos Ordenados em Portugal

De acordo com um estudo da Adecco de 2019 consultado na HR Portugal, o salário médio em Portugal é 110% inferior à média da União Europeia, só estando atrás dos países da Europa Oriental ou de Leste.

O mais preocupante ainda é a distância que separa o ordenado mínimo do ordenado médio.

Aproximação dos ordenados mínimo e médio

Em Portugal o ordenadomínimo é atualmente de 635€ para um ordenado médio de 997€. Na União Europeia, a média do salário mínimo é de 930€ para um ordenado médio de 2091€.

Isto significa que o salário médio em Portugal é 57% superior ao ordenado mínimo enquanto na União Europeia o salário médio é 224% superior ao ordenado mínimo.

No título do artigo disse que considerava este facto uma vergonha, mas ainda é mais do que isso, se pensarmos que há 20 anos atrás a diferença entre o salário mínimo e médio era semelhante ao de hoje na União Europeia, em 224%.

Classe média esquecida 

A classe média foi completamente lapidada nestes últimos anos e politicamente nada tem sido feito para inverter esta situação. Profissionais de valor em todas as áreas tem sido constantemente mal tratados e subvalorizados.

Pessoalmente sinto-me indignado, e a minha atuação individual em pouco ou nada pode mudar alguma coisa deste cenário, a menos que seja candidato a primeiro ministro, o que não irá acontecer.

Também não irei aderir a qualquer sindicato, que só atua no ordenado mínimo. As ordens profissionais e afins nada fazem. No entanto tenho de adaptar-me.

Emigrar para fora cá dentro

A minha atuação profissional em Portugal na engenharia, é como um colega meu que diz: estamos em regime de voluntariado, com as despesas mínimas de sobrevivência garantidas, e com rendimentos extra para ir ao cinema de vez em quando e pouco mais.

Continuo a trabalhar por brilho profissional, e por gostar daquilo que faço, participando em projetos relevantes, mas pouco posso esperar, pelo menos da engenharia.

Os meus rendimentos estão a deixar Portugal. Hoje, com a globalização, já não é preciso emigrar, e para os mais ambiciosos e dedicados, felizmente existem outras formas de ganhar dinheiro em países com economias mais prósperas e vivendo em Portugal ao mesmo tempo.

Vergonha dos ordenados Portugueses? Sim.
Manter os braços cruzados? Não.

 

200 Palavras

Nos próximos artigos vou lançar o desafio pessoal de publicar textos com 200 palavras com os conteúdos habituais de produtividade pessoal, abrangendo temáticas de gestão do tempo, hábitos, finanças pessoais e sucesso.

Normalmente escrevo artigos mais longos. Como pretendo continuar com o hábito diário da escrita, é preferível manter a consistência diária de publicação, mesmo com artigos mais pequenos, do que falhar um dia ou outro.

Depois de vários meses em ambiente de simulação na bolsa de valores (isto é, a fazer trading de ações a "feijões”), e com os primeiros resultados positivos consistentes, esta semana dei início às negociações com dinheiro vivo em ações.

Isto aumentou a minha ansiedade (já sou uma pessoa nervosa por natureza), estando a ambientar-me à nova condição de investidor mais ativo. Estou no que é conhecida como a fórmula 1 do investimento na bolsa de valores, que é o day trading, comprando e vendendo ações no próprio dia.

Trata-se de um mercado muito especulativo, exigindo muita disciplina, uma boa estratégia e a psicologia apropriada. O trader que investe a curto prazo, como o day trading, é uma espécie de guerreiro “combatendo” com todos os outros traders institucionais e individuais espalhados um pouco por todo o globo.

O blogue The Daily Habit funciona como um bálsamo no meio da loucura diária a tentar descodificar e lucrar com a volatilidade dos mercados financeiros.

Celebrar o Sucesso!

Tenho o hábito de cultivar a humildade, e não gosto de falar gratuitamente sobre as minhas conquistas, nem aprecio que os outros o façam. No entanto também existe o outro lado, o de reconhecer o trabalho e celebrar o sucesso sempre que se justificar. Isto servirá como motivação para renovar forças e continuar a ultrapassar as inevitáveis dificuldades da vida.

O ponto de partida para qualquer empreendimento de sucesso, e de acordo com Napoleon Hill, é um "desejo ardente" em atingir determinado fim ou objetivo. Sempre achei esta afirmação algo esotérica, mas a realidade é que nada de significativo acontece sem uma grande persistência e vontade de ultrapassar todos os obstáculos, dia após dia.

Não é novidade para o leitor ou leitora que acompanha o blogue The Daily Habit, que um dos meus grandes focos é o investimento na bolsa de valores. Já escrevi a minha experiência no artigo O que Aprendi em 1 ano a Negociar na Bolsa.

Após mais de um ano de prejuízos na bolsa aprendendo numa conta de simulação (isto é, sem dinheiro real, uma das regras básicas da gestão do risco), nunca desisti, negociando ações diariamente e desenvolvendo uma estratégia. O objetivo seria logo que tivesse resultados positivos confirmados e consistentes (com o desenvolvimento de uma estratégia), passaria para uma conta real (com dinheiro vivo), e esse momento chegou.

Pelo caminho li mais de 50 livros de trading, outros tantos blogues, fiz mais de 500 negócios na bolsa (compra e venda de ações) e desenvolvi uma estratégia baseada no que é conhecida como a análise técnica dos mercados financeiros.

Nos últimos dois meses começaram a aparecer os primeiros resultados positivos e consistentes. Avalio os resultados diariamente e semanalmente. As ultimas cinco semanas foram de ganhos consecutivos, e esta última semana estou a terminar com o maior resultado de sempre, com um lucro de +11.84%.

Se me dissessem que isto era possível à um ano atrás, provavelmente não acreditaria, até porque já tinha tentado noutros tempos a "sorte na bolsa". Na altura faltava o "desejo ardente", fazer o que fosse necessário para levar um objetivo desafiante até ao fim.

Celebrar o sucesso!

Nota: Toda e qualquer informação neste artigo é apresentada com fins educacionais e informativos e não deve ser considerada como aconselhamento financeiro, legal ou de investimento.

Ganhar Poupar Investir

Filme Comer Orar Amar com Júlia Roberts

Pode-se afirmar que de um modo geral, a vida divide-se em duas arenas: 1) a arena pessoal e 2) a arena profissional e financeira.

O sucesso na arena pessoal é conseguido se tivermos as necessidades básicas preenchidas. O filme Comer Orar Amar com Julia Roberts, é uma obra inspiradora para encontrar o sentido da vida mais profundo a este nível.

Sentimo-nos satisfeitos se comermos uma comida reconfortante em boa companhia, acreditamos em algo que nos transcenda, e temos relacionamentos saudáveis dando e recebendo afetos.

O sucesso na arena profissional e financeira é mais vasto e diverso, mas pode ser simplificado com o axioma Ganhar Poupar Investir.

Ganhar: obter rendimentos com o emprego, negócios, part-time, etc.

Poupar: colocar de parte percentagem de todos os ganhos.

Investir: pôr o dinheiro que poupou a trabalhar para si, com investimentos financeiros, imobiliários, etc.

A vida profissional e financeira estão intimamente ligadas, e o sucesso de uma, irá influenciar positivamente a outra e vice-versa. Não vale a pena complicar o que é simples.

Se no entanto, compreender a filosofia é simples para o sucesso profissional e financeiro, a dedicação na implementação da estratégia certa, acompanhada de um pouco de sorte, é que distingue as pessoas bem sucedidas das outras.

Os 5 Níveis da Independência Financeira

Quando pensamos na independência financeira, à primeira vista podemos ficar confusos, porque o seu significado pode ter conotações diferentes para cada tipo de pessoa.

Por exemplo, todos reconhecemos que tanto Bill Gates com Warren Buffet atingiram a sua independência financeira. Mas quando ao resto do comum dos mortais?

Para ajudar a clarificar esta questão, irei dividir a independência financeira de um indivíduo em cinco níveis.

Nível 1 - Sobrevivente

O sobrevivente é a pessoa que infelizmente teve pouca sorte na vida, e que possivelmente depende do estado para providenciar a sua subsistência como casa ou alimento.

Nível 2 - Remediado

O remediado tem o ordenado mínimo ou perto disso, vive numa casa arrendada modesta, anda cheio de dívidas de consumo, e sempre a contar o dinheiro até ao último tostão não chegando ao final do mês.

Nível 3 - Confortável

O confortável provém da classe média (em vias de extinção), e possui um emprego mediano. Possivelmente comprou a sua própria casa, mas como não abunda em rendimentos, o seu ordenado mal dá para cobrir as despesas, poupando pouco ou nada.

Nível 4 - Muito confortável

O muito confortável teve a sorte de conseguir um bom cargo numa organização, ou é dono de um negócio de sucesso. Tem a sua casa própria com todos os confortos modernos, e possivelmente já investiu em uma ou mais casas para passar férias ou obter rendimentos. Consegue poupar parte do seu vencimento e está preparado para as incertezas do futuro.

Nível 5 - Livre

O livre é o último nível da independência financeira. Encontram-se aqui os Bill Gates, Warren Buffets e muitos outros. Estes já não precisam de trabalhar, podendo viver exclusivamente dos rendimentos dos seus negócios e investimentos. Vemos muitas vezes estas pessoas em atividades de filantropia, escolhendo os projetos em que querem participar e em que acreditam.

Conclusão

O nível 1 (sobrevivente) é o mais duro, seguido logo de seguida pelo nível 2 (remediado). O nível 3 (conforto) está em vias de extinção, à medida que o poder de compra da classe média continua a cair, ano após ano. Restam os níveis 4 e 5 (muito confortável e livre).

O nível 5 (livre) é extremamente improvável ou difícil de atingir-se, exceto ganhando o Euromilhões ou inventando a nova fórmula da Coca-Cola.

O nível 4 (muito confortável) é praticamente o único que ainda dá alguma possibilidade (por mais pequena que seja) de concretização. É no entanto um nível extremamente competitivo.

Como o célebre slogan de reflexão da RFM diz: JÁ AGORA, VALE A PENA PENSAR NISTO.