Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Daily Habit

Diário de produtividade pessoal

The Daily Habit

Diário de produtividade pessoal

Perfecionismo Bom e Perfecionismo Mau

Quando se fala em perfecionismo, muitas pessoas associam esta característica pessoal a algo negativo. Frases como “não sejas tão perfecionista” ou “deixa-te de perfecionismos” fazem parte do nosso dia-a-dia.

Este tipo de pensamento é típico de uma visão do mundo com uma lente de branco ou preto. Na realidade a lente é mais da cor cinzenta, e o perfecionismo pode ser considerado tanto mau como bom. Vou dar dois exemplos.

Primeiro exemplo

Imagine que quer preparar um almoço especial para a sua família. Encontra uma receita na Internet sendo que tem todos os ingredientes em casa à exceção de dois. A receita é possível de ser feita, podendo não utilizar os ingredientes em falta ou substitui-los por outros que tenha em casa.

Decide de qualquer modo que quer cumprir a receita á risca e desloca-se ao seu supermercado habitual. Neste supermercado não encontra os ingredientes que procura e visita outro supermercado. Neste apenas encontra um dos ingredientes.

Como quer fazer uma receita perfeita, vai ainda a outro supermercado, onde para sua surpresa não encontra o ingrediente em falta. Não contente ainda visita um novo supermercado onde não existe o que quer. Acaba por desistir e voltar para casa fazendo a receita com o que tem.

De que perfecionismo se trata este exemplo?

Segundo exemplo

Imagine agora que tem um potencial cliente que o colocou entre os principais candidatos a trabalhar num projeto, que se conseguir ganhar poderá fazer com que a sua firma cresça significativamente no seu mercado. Informa-se sobre quem são os seus concorrentes, analisando os seus pontos fortes e fracos, e comparando com a sua organização.

Depois procura saber quem é ou são os responsáveis dentro da firma do seu potencial cliente pela decisão da contratação.Depois de saber quem são os responsáveis, procura informar-se sobre cada um deles e os contactos que tem em comum de modo a saber mais sobre os requerimentos do processo de contratação. Com esta informação procura agendar uma reunião com os elementos decisores para saber o feedback da sua proposta em relação aos seus concorrentes e de como pode melhorá-la.

Com este novo feedback refaz a sua proposta de modo a ficar rigorosa de modo a ir de encontro às verdadeiras necessidades do seu cliente.De seguida faz um acompanhamento rigoroso para garantir que a sua proposta seja a escolhida, fazendo tudo o que for necessário.

De que perfecionismo se trata este exemplo?

Conclusão

Se respondeu no primeiro exemplo perfecionismo mau e no segundo exemplo perfecionismo bom acertou. Como vê, o perfecionismo não deve ser visto unicamente como algo mau, nem tão pouco como algo bom. A verdade é que se situa numa área cinzenta, podendo ser mau ou bom consoante o caso a que se aplica. Na próxima vez que tiver de fazer alguma coisa, decida o que é importante, e planeie o tempo de acordo.

Definição de Produtividade Pessoal

A produtividade pessoal é um conceito vago, mas gostaria de avançar com uma definição para efeitos de clarificação.

Definição de produtividade pessoal segundo The Daily Habit:

"Execução de todas as atividades inerentes, incluindo a gestão do tempo, que levam o indivíduo a trabalhar ou fazer para alcançar os seus objetivos."

Desta definição depreende-se que a atividade da gestão do tempo é fundamental para a produtividade, mas não é única. Todas as atividades que possam contribuir para os nossos objetivos contribuem para aumentar a produtividade pessoal, e vice-versa no caso contrário.

Por exemplo, se um dos meus objetivos for encontrar um novo emprego ou ser promovido, todas as atividades inerentes como a atualização do curriculum vitae, networking, desenvolvimento de uma estratégia, etc. contribuem para a minha produtividade pessoal. Por outro lado, se não tiver o objetivo de encontrar um novo emprego ou ser promovido, estas atividades de nada me servem, constituindo apenas perda de tempo, e que poderia empregar noutras atividades “mais produtivas”.

Dei este exemplo porque muitos especialistas de recursos humanos dizem que devemos ter o CV sempre atualizado e o networking deve ser permanente, ou seja, uma procura passiva de novas oportunidades profissionais. Até certo ponto estes especialistas têm razão, mas do ponto de vista de produtividade pessoal isto não tem qualquer sentido.

Encontrar um novo emprego ou ser promovido, pelo menos para um cargo ou posição de relevo, como em tudo na vida, existe esforço, dedicação e persistência. É preciso trabalhar ativamente neste objetivo, e não passivamente na esperança que alguém se lembre de nós. A concorrência é feroz e competitiva, não permitindo uma posição tão “gentil” perante o mercado de trabalho.

Para termos uma maior produtividade pessoal, devemos obrigatoriamente definir os nossos objetivos, fazer uma boa gestão do tempo, executar todas as atividades inerentes e importantes, bem como livrar-nos ou dizer não a todas as outras atividades.

Bolsa, Brevidade e Bipolaridade

Esta semana tive o dia com o maior prejuízo desde que iniciei os investimentos na bolsa de valores numa conta com dinheiro real. Isto significa que todo os ganhos realizados nas ultimas três semanas foram evaporados num único dia. Estava demasiado confiante, até inebriado, com os resultados obtidos. A ganância tomou conta, baixei a guarda, e fui alvo de uma necessária dose de humildade autoimposta pelos mercados financeiros.

No artigo 200 palavras escrevi sobre como pretendia publicar textos mais curtos e regulares em detrimento de grandes epopeias, como por exemplo o artigo Como Ficar Milionário em Portugal. Pelo contrário, muitas das minhas publicações têm mais de 600 palavras, o que está a ir contra esta filosofia da brevidade. Olho para as estatísticas do blogue e entusiasmo-me com o número de visitas, não me apercebendo que isto é viciante por si só, e à semelhança do que acontece com os likes das redes sociais.

Tinha decidido reduzir a minha atividade na Toastmasters, mas esta semana participei nos concursos de discursos do meu clube que são realizados duas vezes por ano. Existem três categorias: 1) discursos preparados, 2) discursos de improviso e 3) discursos de avaliação. Alistei-me em todas as categorias, estando em palco a falar em público com outros concorrente quase até à meia-noite. Fiquei estasiado com tanta adrenalina, como se tratasse da fase hipomaníaca de um positivismo excessivo característico da bipolaridade. O dia a seguir coincidiu com a maior perda financeira (coincidência ou não?).

Ser humilde na bolsa, breve nas minhas intenções e procurar ambientes estabilizadores.

Chegou a Altura de Reduzir a Minha Atividade na Toastmasters

As circunstâncias atualmente mudaram e nos próximos meses vou reduzir a minha atividade na Toastmasters. Esta organização providencia um local para treinar o discurso público através de sessões semanais onde não existem formadores. Os membros aprendem "fazendo" avaliando-se mutuamente de acordo com padrões pré-definidos como a organização do discurso ou a variedade vocal.

O principal motivo que me levou a aderir a um clube Toastmasters foi poder treinar a minha oratória, pois não tinha a coragem para enfrentar uma audiência. Cheguei a um ponto em que consegui falar para uma plateia de mais de 100 pessoas, o que era inimaginável até então.

Este ano tinha previsto organizar um grande evento a nível nacional dentro desta organização, para cumprir determinados objetivos e chegar ao patamar máximo de reconhecimento. Acontece que atualmente os meus objetivos pessoais não estão alinhados com os da Toastmasters, pelo que deixo cair este projeto, pelo menos neste momento.

Vou começar a ir menos às sessões do meu clube, o mínimo para manter o contacto com outros membros, muitos dos quais formei uma amizade.

Não vou desistir da Toastmasters, apenas reestruturar a gestão do tempo em função das minhas prioridades atuais. A qualquer momento, e se o justificar, regresso mais ativamente às suas atividades.

A Arte de Saber Dizer Não (Ao Próprio)

Saber dizer não é uma das melhores ferramentas que pode utilizar na melhoria da produtividade pessoal.

Associamos o não normalmente a solicitações vindas do exterior ou de outras pessoas. Mas se disser, que é tão importante saber dizer não aos outros, como ao próprio.

Por exemplo, habitualmente tenho sempre muitas ideias para implementar, mas se não coloco um travão, o destino é gerar a dúvida com tantas possibilidades, ou pior ainda, o esgotamento.

Considero-me uma pessoa criativa, não nas artes em si como o desenho ou a pintura, mas na capacidade analítica e de resolução de problemas, que requerem a imaginação.

Por mais mérito que as ideias tenham, é impossível implementar todas ao mesmo tempo. Existe uma necessidade premente de estabelecer prioridades.

Eu sei como custa. Aquele plano porque temos estado tão entusiasmados, irá competir com todos os outros planos, presentes e futuros.

No último artigo, apresentei o resumo do livro Primeiro Pergunte Porquê de Simon Sinek, que nos pode auxiliar com o dilema das múltiplas escolhas.

Quando uma nova ideia ou projeto surge, deve perguntar em primeiro lugar, no que é que esta ideia ou projeto contribui para os seus objetivos pessoais ou profissionais.

Por exemplo, para conseguir publicar todos os dias artigos neste blogue, tenho de ter um motivo forte, ou um Porquê, para manter a motivação.

Motivo principal:

- Meditar sobre os meus pensamentos, materializando os mesmos sobre a forma da escrita. Esta é uma forma de terapia por si só, e excelente para acalmar a mente.

Outros motivos :

- Ganhar estamina com o hábito diário da escrita, indispensável ao trabalho de autor.

Ao perguntar Porquê perante várias escolhas, torna-se mais fácil gerir as prioridades e a selecionar o que é verdadeiramente importante.

O Hábito da Revisão Mensal na Produtividade Pessoal

Criar um plano de sucesso que inclua os objetivos a médio e longo prazo, é a primeira metade do caminho para o desenvolvimento de uma vida com mais significado.

A segunda metade é a revisão regular do plano: saber onde estamos em relação ao planeado, e as modificações necessárias em função do que descobrimos ou aprendemos.

Este blogue tem uma forte componente prática, e pretende acompanhar a minha própria produtividade pessoal, pelo que irei utilizar a revisão do último plano de sucesso que criei.

Área das finanças

Investir na bolsa de valores

Pretendo obter a independência financeira recorrendo ao investimento na bolsa de valores, com um retorno anual de 100%. Trata-se de uma meta bastante ambiciosa, mas possível com um enorme trabalho, dedicação e o desenvolvimento de uma boa estratégia.

Após largos meses a investir e a treinar diariamente numa conta de simulação, e muitas horas de aprendizagem depois,  termino o mês de novembro com um saldo positivo. Se o mês de dezembro correr tão bem como o de novembro, irei avançar no ano novo para a negociação de títulos numa conta com dinheiro real.

Monetizar o blogue The Daily Habit

Criar e escrever neste blogue foi uma das melhores decisões que tomei nos últimos tempos. Ajuda-me a refletir sobre as minhas ideias (que são muitas), e a gerir prioridades escolhendo as ideias com a melhor relação custo/benefício. O custo aqui é medido pelo tempo que dedico aos meus projetos. Se vejo que um projeto exige muito trabalho para o benefício esperado, então não vale a pena seguir com o projeto.

A monetização deste blogue não é neste momento prioritária, porque o que posso ganhar com o mesmo, não se equipara as potencialidades de rendimento com outros projetos. Esta ideia não inteiramente abandonada, ficando na lista dos projetos de algum dia (este é um conceito do método de gestão do tempo GTD).

Área da carreira

Progredir profissionalmente

Tenho a felicidade de trabalhar num emprego estável com um horário decente. A desvantagem é que existem poucas perspetivas de evolução na carreira.

A progressão profissional, e se alguma vez tiver sorte, só será atingida se conseguir dominar as regras do jogo, controlando as dinâmicas das relações sociais e do poder.

Neste sentido, o meu local de trabalho irá servir como laboratório experimental, onde irei testar a conquista de um maior respeito e influência sobre os outros (com integridade).

Área pessoal

Diminuir o tempo nas tecnologias de informação

As tecnologias são fundamentais para uma maior produtividade, mas os excessos acabam por ter um efeito prejudicial. Todos os dias a partir das 22h e o sábado na íntegra, irão ser livres de smartphones, tablets e computadores.

Cozinhar vegetariano

O meu desejo de ter pelo menos metade das refeições semanais com uma alimentação vegetariana é um desafio. Cada semana tem 14 refeições principais, o que dá 7 refeições leves e saudáveis por semana. Se nas próximas semanas começar a fazer duas refeições por semana com vegetais, já é um bom início em direção ao meu objetivo.

Conclusão

Esta foi a revisão mensal do meu plano de sucesso, servindo de reflexão e melhoria contínua à minha produtividade pessoal e gestão de prioridades. O objetivo último é conseguir prosseguir em direção aos meus objetivos, com uma vida mais preenchida de conquistas e alegrias.

Como Criar Um Plano de Sucesso em 6 Passos

“Quando se navega sem destino, nenhum vento é favorável.” —  Séneca

Esta citação de Séneca reflete bem a necessidade implícita da criação de objetivos e de um plano, pois sem um rumo, será difícil senão mesmo impossível, criar e aproveitar novas oportunidades que conduzam a uma vida com mais significado.

Neste artigo, quero partilhar com o leitor como poderá criar um plano de sucesso simples em seis passos, para ganhar a motivaçao de que precisa.

Puzzle

Passo 1 – Definir as áreas de sucesso

As áreas de sucesso são as zonas das nossas vidas que desejamos melhorar, e devem ser genéricas.

Exemplo de áreas: carreira, finanças, pessoal.

Abacus

Passo 2 – Definir o horizonte temporal

Um plano de sucesso não deve ser para o imediato. Devemos ser ambiciosos e pensar em grande. Trata-se da visão onde queremos chegar, recomendando um espaço temporal de um a cinco anos para a concretização do plano.

Exemplo de horizonte temporal: escolho o prazo de um ano para concretizar o meu plano de sucesso nas áreas da carreira, finanças e pessoal.

Objetivo

Passo 3 – Definir os objetivos

Aqui são definidos os objetivos em função das áreas de sucesso e do horizonte temporal. Pode utilizar a fórmula SMART neste passo para ajudar na criação dos objetivos.

Ter em atenção a ambição excessiva de objetivos, porque temos uma quantidade limitada de tempo, mas também de energia. A gestão de prioridades assume especial significado neste passo.

Exemplo de objetivos:

No prazo de um ano quero atingir os seguintes objetivos nas áreas escolhidas.

Pessoal

Objetivo 1 – Ter um dia 100% livre por semana sem estar ligado a computadores ou telemóveis, dedicado inteiramente à família.

Objetivo 2 – Ter uma alimentação vegetariana em pelo menos metade das refeições.

Finanças

Objetivo 3 – Ter uma taxa de retorno anual financeira de 100%, através do investimento na bolsa de valores, com operações de curto prazo e otimização da gestão do risco.

Objetivo 4 – Testar a hipótese de monetizar o blogue Daily Habit, com a angariação de um projeto de coaching em gestão do tempo e produtividade pessoal.

Carreira

Objetivo 5 - Dominar e praticar as regras do poder, partindo do trabalho desenvolvido por Robert Greene, Sun Tzu e Nicolau Maquiavel.

Projetos e tarefas

Passo 4 – Definir projetos e tarefas

Cada objetivo deve ser decomposto em projetos e tarefas, para operacionalizar a sua concretização. De acordo com o método de gestão do tempo GTD, um projeto é um conjunto de duas ou mais tarefas. Um projeto deve conter obrigatoriamente tarefas, mas uma tarefa pode ser única não tendo de estar obrigatoriamente incluída num projeto.

Quadro de pernas

Passo 5 – Afixar o plano em local visível

O plano de sucesso deve ser impresso e colocado em local visível, para recordarmos regularmente que as tarefas diárias contribuem para o nosso plano maior de sucesso. Este plano deverá também ajudar a despertar a nossa motivação.

Cabeça a pensar

Passo 6 – Rever o plano regularmente

As prioridades mudam, a vida muda e os imprevistos acontecem. O nosso plano tem de acomodar as incertezas da vida, e por isso, recomendo a revisão trimestral do plano de sucesso.

Nesta revisão podem ser acrescentados, eliminados ou modificados os objetivos, bem como atualizadas as áreas de sucesso.

Conclusão

Espero que este artigo possa contribuir para estimular a sua criatividade, e criar o seu próprio plano de sucesso. A última finalidade, é que navegue em direção ao seu destino com vento favorável, vivendo a vida com alegria e significado.

Icons made by Kiranshastry from www.flaticon.com

Extrovertido versus Introvertido: Escolher o Tipo de Ocupação em Função da Personalidade

Mulher de braços abertos no meio do campo

O famoso psiquiatra e psicoterapeuta suíço Carl Jung dividiu a personalidade do ser humano em dois tipos: o extrovertido e o introvertido.

De uma forma geral, o extrovertido é aquela pessoa que gosta naturalmente de relacionar-se com outros, e energiza-se através do contacto e interação humanas.

O introvertido é geralmente a pessoa que prefere estar em solitude energizando-se com os seus pensamentos e as suas ideias.

Ninguém é totalmente extrovertido ou introvertido, sendo que a maioria das pessoas possui características de ambas as personalidades. No entanto, a personalidade de cada um tende a inclinar-se para um dos lados.

No meu caso, sou definitivamente mais introvertido, por gosto de desenvolver novas ideias, e não aprecio a presença de multidões que me tirem do foco. Não quero dizer com isto que não goste ou evite totalmente em estar com outras pessoas, até porque as relações interpessoais são fundamentais para um equilíbrio emocional.

Existem determinadas profissões ou trabalhos que são mais aptos para um extrovertido do que para um introvertido e vice-versa, mas com alguma criatividade podemos adaptar a nossa personalidade a qualquer tipo de trabalho.

Ao reconhecermos o nosso tipo de personalidade temos uma grande ajuda para tomar decisões, de forma a ocuparmos uma significativa parte do tempo fazendo o que nos motiva e dá energia.

Como Criar um Objetivo Pessoal de Sucesso em 3 Passos

Mulher a escrever no caderno

Sente dificuldades em estabelecer objetivos pessoais que funcionem? Não é o único ou única a sentir obstáculos na definição de metas. Neste artigo quero partilhar consigo a fórmula dos três passos que utilizo para criar os meus próprios objetivos, e que poderá experimentar.

Ontem escrevi sobre o facto de 79% das pessoas desistirem das suas resoluções de ano novo, e de como podemos utilizar setembro para nos conectar novamente com os nossos objetivos tendo em conta que ainda temos quatro meses pela frente até ao final do ano.

Um dos problemas de não se atingirem os objetivos, e em primeiro lugar, é que muita gente não sabe como definir e criar os mesmos. De seguida enumero as três etapas para a criação de um objetivo dando o exemplo do objetivo pessoal para este blogue.

Passo n.º 1 - Definir a visão

A visão é onde pretendemos chegar e deve ser obrigatoriamente inspiradora. No fundo, a visão pretende responder à seguinte pergunta: Porque é que nos vamos dar ao trabalho de atingir este objetivo, quando podemos fazer outra coisa qualquer?

Exemplo de visão: Desenvolver o hábito da escrita e ser reconhecido na comunidade sapo blogs como um perito em produtividade pessoal.

Passo n.º 2 - Definir a missão

Depois de estabelecer a visão passa-se ao passo seguinte, com a definição da missão. A missão é o que temos de fazer para atingir a visão. Trata-se portanto da componente prática das nossas intenções.

Exemplo de missão: Escrever consistentemente artigos sobre produtividade pessoal e interagir regularmente com outros bloggers na comunidade sapo blogs

Passo n.º 3 - Definir os resultados

Como é que sabemos se atingimos os nossos objetivos? O terceiro e último passo pretende responder a esta pergunta, pelo que é extremamente importante definir métricas para todos os objetivos pessoais. Um objetivo pode ter mais do que um resultado, no meu caso tenho três resultados.

Exemplo de resultados

Resultado 1: Ter 50 subscritores no blogue até ao final do ano.
Resultado 2: Escrever cinco artigos por semana.
Resultado 3: Ler e comentar pelo menos cinco artigos de outros bloggers por semana.

Espero com este artigo ter providenciado inspiração e informação para criar os seus próprios objetivos. Se seguir estes três passos terá mais probabilidade de conseguir atingir as suas metas, e iniciar o mês de setembro com energia e otimismos renovados. De que está à espera?

 

The Dailies Edição #8: Há que Fazer Escolhas

Máquina de escrever, folha e café

Esta é a edição número oito do The Dailes, o diário da minha produtividade pessoal.

Inicialmente tinha previsto fazer uma edição semanal com a retrospetiva da semana que passou e o planeamento da semana seguinte. Neste momento já não estou assim tão restrito quanto à periodicidade desta rubrica, publicando a mesma quando existam atualizações na minha produtividade pessoal que mereçam referência.

Esta rubrica coincide também com a revisão mensal onde atualizo a minha visão e missão pessoais, e que dão o rumo geral às minhas atividades do meu dia-a-dia.

A missão e visão pessoais dão origem a áreas de foco, sendo que este mês reduzi de cinco para quatro as áreas de foco (pessoal, trabalho, engenharia e finanças). Este blogue estava primeiramente inserido na área de produtividade que foi eliminada, um projeto de coaching de gestão do tempo e produtividade, sendo que inclusive já tinha adquirido um domínio para criar um portal de informação sobre esta temática e oferecer serviços de formação e de coaching.

O projeto da produtividade estava a ser desenvolvido a tempo parcial. Ou seja, não consigo dedicar tempo de qualidade a tantas áreas em simultâneo pelo que a área de produtividade foi eliminada. Esta área foi assim integrada na área pessoal em que continuo a escrever artigos neste blogue mas sem a parte comercial da formação e coaching.

Espero assim conseguir dedicar mais tempo a áreas com maior capacidade de remuneração como a engenharia e finanças.

A engenharia é a minha atividade profissional o qual exerço a tempo inteiro. Paralelamente pretendo prestar serviços de consultoria a tempo parcial a iniciar ainda em 2019.

Nas finanças estou a investir nos mercados financeiros, nomeadamente no mercado bolsista. Na bolsa existem dois tipos de filosofias de investimento: a análise fundamental e a análise técnica. A análise fundamental estuda as atividades das empresas, os seus dados financeiros e as perspetivas de novos produtos e vendas. A filosofia da análise técnica estuda os gráficos das ações fazendo-se previsões do movimento de preços. É esta última filosofia que utilizo nos meus investimentos.

A minha rentabilidade nos mercados financeiros acumulada em 2019 é de 21,6 %. Devo dizer que nada vem de graça nos mercados, sendo preciso trabalhar muito para se obterem resultados. Caso o investidor não queira estudar e trabalhar, está a apostar, e consequentemente perde dinheiro.

Termino assim esta edição do The Dailies, o diário da minha produtividade pessoal.