Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Daily Habit

Diário de produtividade pessoal

The Daily Habit

Diário de produtividade pessoal

Adaptação Psiquiátrica

Nos últimos anos, e depois de vários esgotamentos, tenho tomado medicação regular para estabilização emocional e principalmente para regular o sono.

Sempre que vou a um médico de clínica geral, me aconselham a deixar o medicamento de estabilização, nomeadamente o anti depressivo. Esta ideia é tentadora, porque é difícil admitir que temos um problema, e tomar medicação psiquiátrica é prova disso.

O facto é que mesmo na comunidade médica existe descriminação e desvalorização dos que têm desequilíbrios mentais, exceto os profissionais mais ligamos a esta área como os psiquiatras ou outros profissionais da saúde mais atentos.

Se muitos médicos não reconhecem os problemas de humor extremo, não é de estranhar que a sociedade veja este tipo de situação como fraqueza, até mesmo como de inadequação.

No fim cabe a cada um decidir cuidar da sua saúde mental, de preferência sem mais ninguém saber, exceto os familiares mais próximos. Muitas vezes a única solução é tomar medicação, pois as vantagens ultrapassam claramente às desvantagens. Outras vezes nem por isso, em que a medicação não é necessária ou apenas tem carácter provisório.

Reconhecer que se tem um problema é a primeira etapa. A segunda é consultar um profissional de saúde competente.

Danos Colaterais no Yoga

Mulher a fazer yoga junto a monumento

Nos mais de quinze anos em que pratico yoga começo a sentir alguns efeitos físicos adversos.

Não quero dizer com isto que o yoga não é saudável para o corpo e sobretudo a mente. Pelo contrário, se for praticado com atenção e consciência plena, é uma forma maravilhosa de lidar com inúmeros sintomas como a ansiedade, depressão bem como outros males da sociedade moderna.

O problema está nos exageros, em levar o corpo para além do limite, causando lesões nas articulações, indo contra a própria filosofia do yoga de não violência, neste caso contra o próprio corpo.

Devido às posições extremas da sequência de yoga que pratico seis dias por semana, um dos meus joelhos foi muito maltratado nos últimos anos, desencaixando constantemente das ligações, como se tivesse uma pequena pedra no interior a prender o movimento.

Em várias viagens fiquei paralisado com o joelho “deslocado”, o caso mais notável às portas de Pompeia no sul de Itália.

Na última semana, a situação tornou-se impossível, recorrendo a um osteopata para alinhar a estrutura óssea da área afetada para conseguir andar.

Em breve saberei os resultados de uma prática intensa ao longo dos anos com os resultados de uma ressonância magnética. O yoga pode funcionar como uma medicina, mas como em qualquer tratamento ou medicamento que trata uma condição, existem efeitos adversos e colaterais noutras condições.

No final, a pergunta será: Os benefícios do yoga (escreva aqui outra prática ou tratamento) são maiores do que os danos?

Guerra das Palavras

Soldados em treino de guerra

Poderá parecer um pouco estranho que as palavras entrem em guerra, mas a verdade é que grande parte do que falamos não acrescenta nada da valor, pelo contrário, até nos pode prejudicar.

Estimo que na comunicação oral, o indivíduo normal fale 80% do tempo e escute 20% do restante, quando deveria ser o contrário, falar 20% do tempo e escutar 80% do restante.

Eu incluo-me no grupo dos que tem tendência para falar demasiado e resolvi cortar o mal pela raiz, entrando em guerra com as palavras.  Pretendo eliminar as palavras que não acrescentam valor e apenas usar as que podem ajudar na concretização dos meus objetivos.

Para tal, vou introduzir medidas extremas de controlo laboral para reduzir o número de palavras em reuniões de trabalho e outras iterações profissionais importantes:

  • Meditar 10 minutos de manhã antes do trabalho e a seguir ao almoço com o temporizador da aplicação Insight Timer.
  • Criar um lembrete horário durante o dia do trabalho com a aplicação Loop - Acompanhador de Hábitos, para ter consciência em falar menos.
  • Antes de uma reunião profissional, programar o telemóvel para vibrar de 5 em 5 minutos como lembrete para falar menos com a aplicação Interval Timer.
  • Registar antes e depois de uma reunião profissional o nível de ansiedade e percentagem do tempo de escuta com uma folha de cálculo simples (no meu caso a necessidade de falar demais está relacionada em grande parte com a ansiedade).
  • Criar uma nova tarefa repetida diariamente na minha aplicação de gestão do tempo Nirvana como recordação para fazer todas estas atividades.

Efetivamente são muitas medidas, mas em estado de guerra, todos os meios são válidos para atingir os fins. Espero progredir nos próximos dias, para poder aliviar algumas destas atividades.

Mindfulness de Mark Williams & Danny Penman

Livro Mindfulness Atenção Plena - Williams & Penman

Nas últimas semanas a minha ansiedade disparou para níveis superiores ao normal. Um dos fatores é o pico de stress com um projeto exigente rodeado de uma equipa com agenda e interesse próprio.

Para ajudar a combater este momento, decidi retomar a prática regular do mindfulness, que no passado já tinha usado com resultados eficazes.

Existem muitos programas nesta disciplina de meditação com origem budista. O livro que estou a seguir intitula-se Mindfulness - Atenção Plena dos autores Mark Williams e Dany Penman. Este texto apresenta um programa de 8 semanas acompanhado por um CD com meditações guiadas.

Williams e Penman explicam de uma forma simples como este tipo de meditação nos pode ajudar, e dão o exemplo da música. Quando ouvimos uma música várias vezes e que gostamos, associamos os momentos agradáveis e emoções positivas do passado que nos levam numa “boa viagem”. Da mesma forma, quando temos um problema, e ficamos preocupados e com pensamentos negativos, associamos os momentos desagradáveis e emoções negativas do passado, que nos levam numa “má viagem”.

No último caso, se os pensamentos e emoções negativas persistirem, e não forem tratados, conduzem a uma espiral descendente, e que pode manifestar-se em stress grave, ansiedade, depressão e outros males fisiológicos.

O mindfulness pretende quebrar esta espiral descendente, fazendo com que se interrompam os pensamentos e emoções negativas logo no início da espiral,

O programa do livro é muito direto, sendo que vou dar início à primeira semana com as seguintes práticas:

  • Meditação principal do corpo e respiração sentada ou deitada, duas vezes por dia (esta meditação vem no CD).
  • Meditação da passa da uva, uma vez por dia.
  • Atenção plena a uma atividade rotineira diária, em que vou escolher o pequeno almoço, uma vez por dia.
  • Libertador de hábitos, em que escolhi sentar-me numa cadeira diferente à refeição, uma vez por dia.

Na próxima semana farei um ponto de situação do processo de meditação, onde serão também descritas as práticas para a semana dois.

Saber Quando Parar

Cadeiras na areia junto praia

Todas as atividades intensas requerem descanso. É impossível para o ser humano manter uma elevada produtividade sem parar por uns momentos de forma a recuperar energias.

O famoso caso do banqueiro português António Horta Osório que numa posição de topo como presidente do banco Lloyds de Inglaterra quando assumiu em público um esgotamento que o obrigou a parar, foi amplamente divulgado nos meios de comunicação social.

Como Horta Osório, existem muitas outras figuras públicas e privadas que se viram obrigadas a “encontrar tempo” para descansar e recuperar das suas vidas agitadas.

A forma mais óbvia é dedicar pelo menos um dia por semana para fugir das rotinas habituais como é o caso de um emprego ou trabalho intensos.

Pessoalmente tenho o sábado para me libertar do mundo do trabalho e principalmente dos mercados financeiros no qual invisto de forma ativa na bolsa de valores. Embora os mercados estejam fechados durante o fim de semana, tem sido hábito fazer análise de títulos de ações e ler publicações financeiras em tempo de lazer.

A vantagem do verão é que facilita o descanso, principalmente com a praia. É muito difícil estar sentado na toalha de praia a trabalhar com um portátil e mais difícil ainda mergulhar no mar com um livro ou caderno de apontamentos. Saber quando parar é uma virtude, e sempre podemos aproveitar melhor o verão para ter um repouso merecido.

Dilemas de uma Carreira Profissional

Pessoas a andar, pernas desfocado

Como muitos portugueses tirei uma licenciatura na expetativa de ter um futuro melhor, tendo trabalhado sempre na mesma área profissional depois de concluir o curso. Recentemente adicionei um mestrado à minha formação, e pelo meio concluí uma pós-graduação.

Tanto a licenciatura como o mestrado são na mesma área, enquanto a pós-graduação é mais genérica na área da gestão. Tecnicamente tenho todas as competências necessárias à execução de um excelente serviço além de ter uma experiência vasta.

O próximo passo na minha carreira passa inevitavelmente por ser reconhecido numa função de direção num cargo perto do topo. No entanto, e sabendo disto, nunca estabeleci verdadeiramente como objetivo concorrer ou procurar ativamente um cargo deste tipo.

Penso que um dos motivos, é o facto do meu trabalho envolver lidar com muitos indivíduos, cada um com a sua própria agenda, o que leva inevitavelmente à gestão de conflitos. Estes conflitos aliados à minha personalidade e natureza ansiosa têm historicamente causado períodos de grande cansaço/esgotamento. Subir na escada corporativa requer uma determinada aptidão e gosto por jogar com as leis do poder.

Outro dos motivos é que sempre preferi desenvolver atividades paralelas, como o yoga ou o investimento na bolsa, que me ocupassem o tempo e a energia em detrimento de evoluir na carreira para o qual estudei. Atividades inerentemente mais para um introvertido do que para um extrovertido.

O que pensamos quando escolhemos um curso e a realidade da vida profissional são bem diferentes, havendo a necessidade de uma adaptação contínua se queremos manter a sanidade mental e evoluir seja em que sentido for. Isto é o dilema de uma carreira profissional.

Mindfulness

Mindfulness é um conceito com origem na tradição budista, mas que tem sido aplicado num ambiente secular. A sua tradução para o português é referida em muitas publicações como atenção plena.

Sbcoaching define mindfulness como o focar no presente e ficar atento às manifestações do seu corpo e da sua mente perante a situações apresentadas.

As situações apresentadas podem ser positivas ou negativas. Por exemplo, uma ida à praia produz sensações agradáveis e de relaxamento. O calor do sol, o contacto com a areia, o cheiro da brisa marítima, um banho refrescante são tudo sensações que produzem bem estar.

Por outro lado, um projeto desafiante no trabalho com colegas muitos competitivos pode conduzir a dores de cabeça, músculos tensos, preocupações crónicas e outras males de uma vida stressante.

Se estivermos atentos às nossas sensações físicas e mentais nos dois exemplos que dei já estamos a praticar mindfulness ou atenção plena.

Mas o mindfulness também pode ser praticado de uma forma mais dedicada. Exemplo disso é a meditação sentada e o yoga. Ao estarmos atentos ao que sentimos e pensamos quando estamos sentados no chão ou fazemos uma postura de yoga, podemos verificar que cada momento é uma experiência única.

Esta experiência é um conceito lato, mas que pode ser entendida como um espectador a visualizar um filme. Durante a sessão o espectador é sujeito ao drama e emoções que o filme produz, mas que sabe que assim o filme termina a sua vida regressa ao normal sem qualquer trauma.

Muito tem sido escrito sobre mindfulness, e talvez por uma boa razão, com todos os benefícios que traz à saúde física e mental.

Burnout

Esta semana atingi o pico de trabalho, que aliado às altas temperaturas do verão me levou perto do burnout.

De acordo com a clínica da mente, o chamado síndrome de burnout é uma perturbação psicológica causada pelo stress excessivo devido a uma sobrecarga ou excesso de trabalho. A palavra Burnout vem do inglês e significa “queimar até ao fim”.

Primeiro, no meu trabalho acompanho projetos de grande dimensão com a gestão de equipas multidisciplinares dentro e fora da minha organização. Embora considere que tenha uma vasta experiência, faço a gestão de projetos sem ter um título de direção, o que nos momentos mais difíceis causa um maior esforço para estabelecer a autoridade, e consequentemente cansaço.

Segundo, organizei recentemente uma conferência online com dezenas de participantes fora do âmbito do meu trabalho principal, o que levou meses a preparar. Tive a meu cargo o comité da organização com toda a logística do evento incluindo a criação do programa e a seleção e contacto dos oradores convidados. As últimas semanas que antecederam o evento foram intensas com todos os preparativos inerentes.

Terceiro, à mais de um ano que dedico o meu tempo livre aoinvestimento nos mercados financeiros. Tudo começou com a procura por alternativas aos depósitos a prazo com taxas de juro insignificantes, em que o dinheiro no banco é inferior à taxa de inflação. O investimento evoluiu para a negociação de ações a curto prazo e depois para day trading, comprando e vendendo títulos no mesmo dia. Isto é uma atividade muito aliciante para aqueles que estão inclinados pata tal, mas também desgastante.

Estes três pontos conduziram-me a uma grande exaustão, e deixaram-me as portas do burnout. Como já tenho uma personalidade predisposta para este tipo de problemas é preciso ter cuidado. Ser produtivo também é saber quando parar, dizer não e reduzir de velocidade.

5 Formas de Aplicar o Mindfulness na Comunicação

Se já ouviu falar ou experimentou alguma forma de meditação mindfulness, está ciente dos inúmeros benefícios que pode trazer ao praticante.

O mindfulness é conhecido como a atenção plena, e tem inúmeros benefícios incluindo uma melhor concentração, maior consciência, maior paciência e estado de tranquilidade entre outros. Estes tipos de benefícios são considerados internos e pessoais, mas alguns aspetos importantes da prática também podem afetar positivamente a nossa experiência externa, como a comunicação.

De seguida descrevo os cinco passos que pode seguir para trazer mais mindfulness ou atenção plena à sua vida comunicativa, combinando as suas palavras com o significado que deseja transmitir.

1. Ter um compromisso claro

Quando comunicamos com os outros é importante manter um compromisso claro para centrar a sua atenção na conversa. Isto é especialmente crítico quando existem diferenças de opinião ou certas vulnerabilidades.

2. Escolher as palavras com cuidado

É fácil ser apanhado no desejo de sermos ouvidos, que perdemos a vista do que realmente queremos dizer. Quando estiver claro da sua mensagem, use um grande cuidado na escolha das palavras. Mahatma Gandhi dizia "Fale apenas se for melhor que o silêncio".

3. Ouça com muita atenção

Por mais eloquentes que sejamos, a capacidade de comunicar é tão boa quanto a capacidade de ouvir. Deixe a sua atenção repousar completamente nas palavras do outro. Sempre que os pensamentos ameacem distrai-lo, volte gentilmente ao ato de ouvir e centre a sua consciência novamente no que o outro diz.

4. A conexão é o seu guia

A comunicação é muito mais do que as palavras trocadas entre duas ou mais pessoas; inclui linguagem corporal, tom vocal, ritmo e outros. Ao envolver-se no ato da comunicação, pratique a sintonia com a outra pessoa. Elimine as distrações e permita conectar-se completamente.

5. Não se esqueça de respirar

Na prática do mindfulness, a respiração é uma das ferramentas mais importantes. Ajuda a libertar os nossos pensamentos e a entrar na experiência da vida, movendo-nos da impulsividade para a intencionalidade. Quando comunica com outras pessoas, lembre-se de se conectar com a respiração e use-a como uma maneira de ajudá-lo a realizar as quatro etapas anteriores.

A comunicação eficaz é uma competência valiosa que exige esforço, intenção e muita prática. Ao expandir o mindfulness ou atenção plena da meditação interna para as conversas diárias com os outros, tornará-se um melhor comunicador e enriquecerá os seus relacionamentos pelo caminho.

Artigo adaptado de Five Simple Ways to Start Communicating More Mindfully, Psychology Today

O Que o Ashtanga Yoga e o Day Trading Têm em Comum?

Praticante de yoga | Trader com computadores

Esta pergunta poderá intrigar o leitor, porque à partida nunca pensaria relacionar a prática do yoga com o investimento nos mercados financeiros ou trading.

Nas disciplinas do yoga e trading existem vários sistemas e filosofias, pelo que neste artigo desenvolvo os principais pontos quem unem o ashtanga yoga ao day trading, ambos métodos que prático.

1. O ashtanga yoga e o day trading são conhecidos como as formas mais difíceis dentro de cada especialidade

O ashtanga yoga é constituído por uma sequência de 72 posturas existentes fisicamente, ligadas entre si por movimento e coordenação da respiração, o o que requer uma grande estamina do praticante.

No day trading negoceiam-se títulos financeiros, aproveitando as flutuações diárias de preço, entrado e saído de várias posições no mesmo dia, o que implica a tomada de decisão rápida, com a gestão de emoções complexas como o medo e a ganância.

2. Praticados diariamente

O ashtanga yoga e o day trading são praticados diariamente. A única exceção é um dia de descanso semanal no caso do ashtanga (habitualmente ao sábado ou domingo) e ao fim de semana no caso do trading em que os mercados estão fechados.

3. Foco numa única sequência de posturas ou titulo

No ashtanga yoga é praticado sempre a mesma sequência de posturas todos os dias. Só quando o praticante dominar a primeira sequência de posturas passa para a seguinte. Isto poderá levar anos a acontecer ou mesmo nunca ocorrer.

Na estratégia de day trading que utilizo só negoceio uma unica ação. Isto permite conhecer o "temperamento" de cada título em profundidade, só acrescentando outro título se conseguir retirar o máximo de rentabilidade do primeiro. Como no ashtanga, isto pode lavar anos ou mesmo nunca acontecer.

O praticante só precisa de uma sequência de yoga, como o trader só precisa de uma ação para ter sucesso. O que importa é a viagem, e não o destino.

4. 1% teoria e 99% prática

O criador do método do ashtanga yoga, Shri K. Pattabhi Jois (1915-2009), dizia que o ashtanga é 1% teoria e 99% prática. Isto quer dizer por mais que tentemos ler e aprender sobre o método, nada substitui o trabalho, dedicação e experiência.

O day trading é idêntico. Existem dezenas, ou mesmo centenas de teorias e filosofias de investimento. Só quando o investidor persistir concentrando-se no desenvolvimento de uma estratégia sua e única, poderá ter sucesso.

5. Cada dia traz uma experiência diferente

O dilema do ashtanga yoga e day trading é que mesmo com uma prática fixa (a mesma sequência de posturas no ashtanga e o mesmo título no trading), nenhum dia é igual.

No ashtanga existem dias em que o praticante está mais cansado ou mais energético, não consegue focar-se por causa de um problema profissional ou pessoal, simplesmente teve um almoço em que comeu muito o que o dificulta a prática, etc.

No trading o comportamento dos mercados é errático, não existem certezas absolutas, e tudo pode ter um impacto no comportamento de um título (notícias, políticas económicas, falências, etc).

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub